Ferro associado ao risco de diabetes gestacionalNotícias de Saúde

Terça, 15 de Novembro de 2016 | 27 Visualizações

Fonte de imagem: Andreia Frota

A presença de níveis elevados de biomarcadores do ferro está associada a um aumento do risco de diabetes gestacional. O estudo publicado na revista “Diabetologia” levanta assim questões sobre as recomendações relativas à toma de suplementos de ferro na gravidez.

O ferro é visto como uma faca de dois gumes para os sistemas vivos, uma vez que tanto o excesso como a escassez deste mineral são prejudiciais. As mulheres grávidas são particularmente vulneráveis à deficiência do ferro.  

Apesar de existirem poucas recomendações, incluindo a do Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas que aconselham o rastreio e tratamento da deficiência de ferro apenas se for necessário, outros há, como é o caso da Organização Mundial de Saúde e dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, que recomendam a suplementação rotineira de ferro para as mulheres grávidas. Alguns estudos têm sugerido a existência de uma possível ligação entre níveis elevados de ferro armazenado e um controlo anormal dos níveis de glucose em indivíduos não grávidos.

Neste estudo, os investigadores do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano Eunice Kennedy Shriver e do Instituto de Saúde Nacional, nos EUA, contaram com a participação de 107 casos de diabetes gestacional e 214 controlos.

Os investigadores analisaram vários biomarcadores associados ao ferro, incluindo a hepicidina, ferritina e recetor da transferrina solúvel (sTfR, sigla em inglês). Estes dados foram utilizados para calcular a razão entre a sTfR e a ferritina, que captura as necessidades do ferro celular e a disponibilidade do ferro armazenado.

Estes marcadores foram medidos ou calculados quatro vezes durante a gravidez, duas vezes antes do diagnóstico da diabetes gestacional (entre a 10.ª e 26.ª semana) e as outras duas após (entre a 23.ª e a 39.ª semana).

Os cientistas verificaram que relativamente à hepidicina e ferritina, no segundo trimestre de gravidez, as pacientes que se encontravam no primeiro quartil dos níveis destes marcadores apresentavam um risco duas vezes e meia maior de desenvolver diabetes gestacional, comparativamente com aquelas encontradas no quartil inferior. Foram observados resultados semelhantes para os níveis de ferritina do primeiro trimestre.

De acordo com os investigadores, o ferro pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento da diabetes gestacional através de vários mecanismos. Uma vez que o ferro livre é um forte pró-oxidante pode promover várias reações celulares que produzem espécies reativas de oxigénio e aumentam os níveis do stress oxidativo. Este stress induzido pelo excesso da acumulação de ferro pode causar danos e morte das células beta pancreáticas que produzem insulina e, consequentemente, afetar a síntese e secreção da insulina. No fígado, os níveis elevados de ferro armazenado podem induzir resistência à insulina ao afetar a sinalização da hormona, assim como limitar a capacidade de o fígado extrair a insulina.

O estudo sugere que os níveis elevados de ferro armazenado podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento da diabetes gestacional, com início no primeiro trimestre.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Diabetologia”