Fármaco mirabegron associado a ateroscleroseNotícias de Saúde

Quinta, 16 de Maio de 2019 | 7 Visualizações

Fonte de imagem: TurboSquid

Um estudo apurou que o fármaco mirabegron, usado no tratamento da bexiga hiperativa, pode acelerar a aterosclerose em ratinhos.
 
Liderado por Yihai Cao do Instituto Karolinska, na Suécia, o estudo sugere que, nalguns casos, o fármaco poderá potencialmente aumentar o risco de doenças cardiovasculares e de acidente vascular cerebral (AVC) em humanos.
 
O fármaco mirabegron relaxa os músculos da bexiga através da estimulação do sistema nervoso simpático no cérebro.
 
Para o estudo, os investigadores administraram doses de mirabegron em ratinhos com aterosclerose, correspondentes às que recebem os humanos.
 
Como resultado, o fármaco fez acelerar o crescimento da placa aterosclerótica, que é uma causa comum dos ataques cardíacos e AVC. A placa ficou ainda menos estável.
 
O tratamento com o mirabegron fez aumentar os níveis de colesterol LDL e VLDL no sangue, que são maus colesteróis pois causam placa de aterosclerose nas artérias. Estas alterações dependiam de lipólise, ou degradação lipídica, e de termogénese (geração de calor) que ocorre quando o tecido adiposo castanho é ativado.
 
A equipa no estudo descobriu precisamente que o fármaco afetava também o tecido adiposo em ratinhos, ativando o tecido castanho e desencadeando a conversão de tecido adiposo branco num tecido semelhante ao castanho. 
 
“Associamos este fármaco, através do mecanismo do tecido adiposo castanho, à aterosclerose e daí para o potencialmente elevado risco de doenças cardiovasculares ou de doenças como o AVC que afetam o fluxo do sangue para o cérebro”, concluiu Yihai Cao.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “PNAS”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados