Fármaco aumenta sobrevivência ao cancro da mamaNotícias de Saúde

Quarta, 22 de Outubro de 2014 | 54 Visualizações

Fonte de imagem: Alamy/Posed by models

Em determinados tipos de cancro da mama, a combinação entre quimioterapia e o medicamento Herceptin aumenta a sobrevivência e reduz o risco de reincidências, segundo um estudo publicado na publicação científica Journal of Clinical Oncology.

O estudo descobriu que ao adicionar-se Herceptin - que advém do composto Tratuzumab - à quimioterapia a taxa de sobrevivência entre as pacientes aumentava 37%, aumentando também as taxas de sobrevivência globais em 10  anos de 75 para 84%.

"As mulheres que receberam Herceptin tinham um tipo de cancro de mama conhecido como HER2-Positivo", afirmou Edith Perez, autora do estudo, citada pelo site científico Medical Xpress.

Os cancros da mama HER2-Positivo, que representam 20% dos cancros invasivos, estão relacionados com o crescimento epidérmico do fator 2 que ajuda as células cancerígenas a crescer.

A investigação sobre a utilização deste fármaco está a ser realizada desde 2005, tendo havido várias atualizações das informações obtidas. Edith Perez seguiu o estudo ao acompanhar 4.000 mulheres com cancro da mama, sendo que metade recebeu apenas quimioterapia. À outra metade foi também administrado o Herceptin. 

A equipa de investigação descobriu que a adição deste fármaco melhorou a taxa de sobrevivência em 37% e a taxa de sobreviventes livres de cancro em 40%. "Esta estratégia teve benefício a longo prazo na redução da recorrência do cancro e melhorou a sobrevivência", salienta Edith Perez.

Os autores do estudo ressalvam que, em alguns pacientes, o uso de Herceptin está associado a problemas cardíacos. De facto, a equipa de Edith Perez verificou que a ocorrência de problemas cardíacos foi menor nas pacientes que não consumiram o medicamento. 

O Herceptin tem um custo de consumo anual de 50.000 euros e é produzido pela Genetech.

Clique AQUI para aceder ao site da Genetech.

Partilhar esta notícia
Referência
Um estudo publicado na publicação científica Journal of Clinical Oncology

Notícias Relacionadas