Exposição extrema a pesticidas prejudica resultados do partoNotícias de Saúde

Domingo, 03 de Setembro de 2017 | 13 Visualizações

Fonte de imagem: Up To Kids

Um novo estudo conseguiu demonstrar os efeitos negativos causados nos resultados do parto pela exposição extrema a pesticidas.
 
O estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia em Santa Barbara, EUA, abordou a investigação de uma forma diferente: através da análise dos resultados do parto numa região rural da Califórnia, conhecida como San Joaquin Valley.
 
A região de San Joaquin Valley produz mais de um terço dos produtos hortícolas dos EUA, e dois terços da fruta e frutos de casca rija, sendo, portanto, um local com uma forte concentração de pesticidas.
 
Para o estudo, os investigadores analisaram os efeitos da exposição aos pesticidas durante a gravidez naquela região e observaram um aumento nos resultados adversos do parto, com níveis muito elevados de exposição a pesticidas.
 
Ashley Larsen, autora principal do estudo observou que “para a maioria dos nascimentos não existe um impacto estatisticamente identificável pela exposição a pesticidas sobre o resultado do parto”.
 
“No entanto, as mães expostas a níveis extremos de pesticidas, definidos aqui como os principais 5 por cento da distribuição da exposição a pesticidas, experienciaram entre 5 a 9 por cento de aumentos na probabilidade de terem resultados adversos, com uma diminuição de aproximadamente 13 gramas no peso à nascença”. 
 
A equipa analisou mais de 500.000 certidões de nascimento, passadas entre 1997 a 2011 e dados sobre a utilização de pesticidas num dado período e conseguiram determinar a influência da exposição residencial aos pesticidas usados na agricultura durante a gestação, no peso, comprimento e anormalidades à nascença.
 
Foram observados efeitos negativos em todos os resultados do parto: peso baixo à nascença, gestação mais curta, parto prematuro e anormalidades à nascença, mas só nas mães que tinham sido expostas a níveis muito elevados de pesticidas. 
 
Os resultados deste estudo são baseados na combinação de todos os pesticidas usados naquela região, sendo difícil isolar um agente específico. 
 
Considerando que os investigadores dizem não perceber bem como é que os diferentes químicos interagem entre si, concluem serem necessários estudos mais aprofundados de forma a detetar quais são os químicos ou combinações de químicos mais perigosos para a saúde humana. 

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas