Exposição a produtos químicos associada a menopausa precoceNotícias de Saúde

Terça, 03 de Fevereiro de 2015 | 29 Visualizações

Um novo estudo sugere que a exposição do organismo a níveis elevados de químicos conduz ao aparecimento da menopausa dois a quatro anos mais cedo do que em mulheres expostas a níveis inferiores desses químicos.

Conduzido pela Escola de Medicina da Universidade de Washington, EUA, este estudo teve por base dados de uma sondagem sobre saúde e nutrição nos EUA de 1999 a 2008.

Os dados abrangeram 31.575 pessoas, sendo 1.442 mulheres na fase da menopausa que tinham sido submetidas a testes a químicos desreguladores endócrinos. As mulheres perfaziam uma média de idades de 61 anos e nenhuma se encontrava em terapia de substituição de estrogénio ou tinha removido os ovários.

Foram analisados os níveis de 111 produtos químicos, em amostras de sangue e urina, suspeitos de interferir na produção e distribuição das hormonas no organismo.

As seguintes categorias de químicos foram analisadas: dioxinas e furanos (produtos de combustão industrial), ftalatos (encontrados em plásticos, produtos farmacêuticos, artigos domésticos comuns e de higiene pessoal), fitoestrogénios (estrogénios de origem vegetal), bifenilos policlorados (PCB), derivados fenólicos (fenóis, poluidores industriais), fosfatos orgânicos pesticidas, surfactantes e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (produtos de combustão).

A equipa identificou 15 químicos que estão fortemente associados às etapas iniciais da menopausa e que poderão exercer efeitos nocivos sobre a função ovárica.

Relativamente aos resultados, Amber Cooper, autora principal do estudo, comenta que “os químicos associados à menopausa precoce poderão levar a um declínio precoce da função ovárica e os nossos resultados sugerem que nós, como sociedade, devemos preocupar-nos”.

“Muitas destas exposições químicas estão fora do nosso controlo porque se encontram no solo, água e ar”, continua a investigadora. “Mas podemos educar-nos relativamente à exposição a químicos do dia-a-dia e estar mais informados sobre os plásticos e outros produtos domésticos que utilizamos”.

A autora recomenda que, por exemplo, nos informemos sobre os ingredientes dos produtos de higiene pessoal e embalagens de alimentos que utilizamos e que usemos vidro ou papel no micro-ondas em vez de plástico.

O declínio da função ovárica causa não só problemas de fertilidade, mas pode também conduzir a doença cardíaca, osteoporose e outros problemas de saúde.

Partilhar esta notícia
Referência
Escola de Medicina da Universidade de Washington, EUA

Notícias Relacionadas