Exercício físico pode reduzir progressão do cancro colorretalNotícias de Saúde

Segunda, 04 de Março de 2019 | 26 Visualizações

Fonte de imagem: R&D

Um novo estudo sugere que a prática de exercício físico poderá reduzir o crescimento das células de cancro colorretal.
 
Conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, juntamente com a Universidade de Waterloo, no Canadá, o estudo contou com a participação de sobreviventes de cancro do sexo masculino com 40 anos ou mais de idade.
 
Os participantes foram convidados a participar numa única sessão de treino intervalado de alta intensidade (que consiste em sessões muito curtas de exercício físico intenso), ou em 12 sessões do mesmo, ao longo de quatro semanas.
 
Foram recolhidas amostras de sangue dos participantes imediatamente após a sessão única de treino intervalado de alta intensidade, e em repouso após as quatro semanas de treino, de forma a observar-se a evolução das células cancerígenas do cólon.
 
Como resultado, James Devin, investigador que liderou o estudo, relatou que “demonstrámos que o exercício físico pode desempenhar um papel na inibição do crescimento das células de cancro do cólon. Após uma sessão aguda de HIIT [abreviatura de treino intervalado de alta intensidade, em inglês], deram-se aumentos específicos na inflamação imediatamente após o exercício, que estão hipoteticamente envolvidas na redução do número de células cancerígenas”. 
 
Os autores referiram que o método usado para modelar as células de cancro colorretal em laboratório é muito diferente da forma como crescem no organismo humano, o que exige estudos suplementares para que se possa traduzir os achados para tumores humanos. 
 
O enfoque dos estudos sobre o exercício físico e a saúde têm incidido sobre os benefícios oferecidos por longos períodos de treino. Contudo, este estudo demonstra que os efeitos de uma única sessão de treino intervalado de alta intensidade podem ser também importantes.
 
Estes resultados reforçam a importância de se praticar exercício físico com regularidade e de se manter um estilo de vida fisicamente ativo. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “The Journal of Physiology”

Notícias Relacionadas