Estudo mostra os riscos associados ao cateter FoleyNotícias de Saúde

Quinta, 05 de Julho de 2018 | 19 Visualizações

Fonte de imagem: infectioncontroltoday

Um novo estudo mostra claramente aquilo que muitos doentes hospitalares já sabiam: o cateter urinário pode ajudar a esvaziar a bexiga, mas também pode originar muitos problemas.
 
O cateter de sonda permanente, também chamado cateter Foley, é muito usado nos hospitais. A sua utilização pode ser necessária, mas ele também pode magoar, causar sangue na urina, infeções urinárias, restrições de atividade, problemas ao urinar e da função sexual e outros ainda durante a estadia hospital ou para além dela.
 
“Os nossos resultados salientam a importância de evitar um cateter de sonda permanente, a não ser que seja absolutamente necessário, e de o retirar logo que seja possível”, afirmou Sanjay Saint, autor principal do novo estudo e professor de Medicina Interna na Universidade de Michigan, EUA.
 
Para o novo estudo, Sanjay Saint e a sua equipa analisaram os dados de 2.076 doentes a quem tinha sido colocado um cateter para uso durante um período curto, a maioria porque iam ser submetidos a cirurgia. A equipa voltou aos doentes duas semanas depois e novamente um mês depois de o cateter ter sido colocado, tendo-os inquirido sobre a sua experiência com o cateter.
 
No total, 57% dos doentes afirmaram ter tido pelo menos uma complicação: 10% dos doentes reportaram uma infeção e 55% uma complicação de tipo não infeciosa.
 
“Embora nas últimas décadas se tenha prestado uma atenção adequada às complicações infeciosas dos cateteres uretrais, só recentemente compreendemos melhor a extensão das complicações não infeciosas que são provocadas por esses dispositivos,” conclui Sanjay Saint. A sua equipa tenciona continuar as investigações sobre este assunto.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “JAMA Internal Medicine”