Estudo dá uma boa razão para não voltar a mascar pastilhas elásticasNotícias de Saúde

Segunda, 20 de Fevereiro de 2017 | 78 Visualizações

Fonte de imagem: Tempe Smiles

O aparecimento de cáries e a presença de açúcar ‘escondido’ não são os únicos motivos para fugir a sete pés das pastilhas elásticas.

Mascar uma pastilha elástica depois do almoço até pode dar a sensação de limpeza dentária e fazê-lo durante a manhã pode ajudar a aliviar o stress e a tensão do trabalho. Recorrer às pastilhas elásticas para uma tarde de passeio pode proporcionar alguma descontração e, para os mais novos, pode até ser um mote de brincadeira. Mas, e se as pastilhas elásticas não forem assim tão ‘amigas’ da saúde?

A dúvida é lançada por um recente estudo da Universidade de Binghamton (nos Estados Unidos), que alerta para o facto de as pastilhas elásticas não contribuírem apenas para o aparecimento de cáries ou dores maxilares.

Diz a investigação, publicada na revista NanoImpact, que uma grande parte das pastilhas elásticas comercializadas contêm nanopartículas de óxido de titânio, uma substância que pode ser nociva e que é usada em vários tipos de doces, pasta de dentes, maioneses industrializadas e ainda em alguns tipos de chocolate, lê-se na edição online da revista norte-americana Cosmopolitan.

O óxido de titânio – usado para melhorar a textura dos alimentos – pode causar problemas no sistema digestivo quando é ingerido de forma continuada. De acordo com as conclusões do estudo, a exposição crónica a esta substância pode fazer com que as células intestinais tenham uma maior dificuldade em absorver micronutrientes como o ferro, o zinco e ainda ácidos gordos, que são fundamentais para o bom funcionamento do organismo e têm ainda um impacto determinante na saúde mental.

Partilhar esta notícia
Referência
Daniela Costa Teixeira