Estima-se que as mortes por insuficiência cardíaca aumentem 73% em 2036Notícias de Saúde

Sexta, 15 de Fevereiro de 2019 | 11 Visualizações

Fonte de imagem: The Conversation

As mortes por insuficiência cardíaca vão aumentar 73% em 2036, comparando com a mortalidade em 2014, segundo estimativas de um estudo sobre a carga da doença em Portugal continental.
 
A projeção feita pelos investigadores do Centro de Medicina Baseada na Evidência da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa prevê também que a carga total da doença, que engloba os anos de vida perdidos por morte e incapacidade, sofra um aumento de 28% face a 2014.
 
Isto equivale a 16,8 mil anos de vida perdidos por morte prematura e 10,3 mil anos perdidos devido à incapacidade gerada pela insuficiência cardíaca.
 
“Vamos ter um aumento de pouco mais de 70% das mortes devido à insuficiência cardíaca, apenas pelo efeito do envelhecimento da população”, disse à agência Lusa Miguel Gouveia, um dos investigadores do estudo.
 
Apesar de a insuficiência cardíaca afetar as pessoas a partir da idade adulta, é mais prevalente em pessoas mais idosas e a população portuguesa está a envelhecer rapidamente.
 
“Portanto, esta é uma doença que não só é muito pesada agora como é uma doença que vai de certa maneira ter um peso muito crescente com o envelhecimento da população”, disse Miguel Gouveia.
 
Miguel Gouveia adiantou que o estudo “tenta estabelecer factos e estimar tendências” e que “seria agora interessante começar a entrar em detalhes de como o sistema de saúde pode lidar com o problema”.
 
“É possível que o sistema de saúde invista na melhoria desta doença, na prevenção da mortalidade prematura e na melhoria da qualidade de vida, reduzindo a incapacidade das pessoas”, adiantou.
 
Para o investigador, este investimento será provavelmente “bastante rentável, porque é um problema grande e qualquer coisa que se consiga fazer” para o resolver dará “muitos resultados”.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas