Esclerose lateral amiotrófica (ELA): 7 factos que deve conhecerNotícias de Saúde

Domingo, 28 de Setembro de 2014 | 222 Visualizações

Fonte de imagem: Imagem: stephen-hawking

Com evolução progressiva e forte impacto na qualidade de vida, perceba melhor em que consiste esta doença

Julho e Agosto de 2014: uma doença desconhecida para muitos de nós passa a ser um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, televisão e rádio. O motivo? O Ice Bucket Challenge (em português, “Campanha Balde de Água Gelada”), que pretende consciencializar as pessoas para a gravidade da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e angariar donativos para pesquisas científicas que permitam conhecer melhor esta doença e, desta forma, caminhar na direção de um tratamento eficaz ou até de uma cura. 

Ao aceitarem o desafio, os “nomeados” comprometem-se não só a tomar o famoso banho de água gelada (e a serem filmados) como também a fazer um donativo a uma instituição que se dedique à investigação e ajuda aos doentes portadores desta doença. Como quem é nomeado também nomeia a seguir, formou-se uma cadeia de caridade que, graças à  disponibilidade e generosidade de celebridades como Cristiano Ronaldo, Leonardo DiCaprio, Jennifer Lopez ou José Mourinho, tornou-se viral nos social media e “contagiou” figuras públicas e cidadãos anónimos de todos os pontos do globo. 

Já a seguir, fique a conhecer 7 factos sobre Esclerose Lateral  Amiotrófica. Porque quando o tema é saúde, estarmos informados é um desafio que todos devemos aceitar. 

1. O que é a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)? A ELA é uma doença neurológica degenerativa (tal como Alzheimer e Parkinson) rara que evolui de forma progressiva, sendo a forma mais frequente de Doença do Neurónio Motor (DNM). Não é uma doença contagiosa.
Conforme é explicado no site da Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica (APELA), o que acontece nesta patologia é que os neurónios motores que conduzem a informação do cérebro aos músculos (passando pela medula espinhal) morrem prematuramente. A consequência da morte precoce desses neurónios é que esses músculos, que nos permitem realizar os mais variados movimentos (andar, falar, mastigar, engolir...), vão ficando mais fracos gradualmente. 

2. O que origina esta doença? Pensa-se que uma percentagem de cerca de 10% dos casos tenha uma origem genética, sendo a restante percentagem de causa ainda desconhecida. Os estudos demonstram que a ELA é mais comum em homens do que em mulheres, e também mais nos caucasianos do que nos indivíduos de raça negra.

3. Qual é a incidência da ELA a nível mundial? Os dados variam muito segundo o tipo de estudo e a população em causa mas estima-se que existam 3 a 5 casos de Esclerose Lateral Amiotrófica por cada 100 mil pessoas da população geral.

4. Quais são os principais sintomas da ELA?
Falta de força muscular, atrofia muscular, espasmos involuntários nos músculos (fasciculações), cãibras, fadiga, músculos presos por aumento do seu tónus (espasticidade), aumento da quantidade de saliva.

5. Em que idades é mais frequente surgir? Muitas pessoas que desenvolvem ELA encontram-se entre os 40 e os 75 anos, sendo que a maioria das pessoas tem uma idade superior a 60 anos. No entanto, a ELA pode manifestar-se em qualquer idade.

6. Inicialmente, de que formas se pode apresentar a ELA? A forma medular, a mais frequente, envolve músculos dos braços ou das pernas e pode provocar dificuldades ao nível da marcha ou, se envolver fraqueza dos músculos das mãos, pode traduzir-se, por exemplo, em dificuldade em abotoar um casaco. Já a Esclerose Lateral Amiotrófica pode designar-se por “bulbar” quando está associada à dificuldade em articular palavras (disartria), mastigar e engolir (disfagia). 
Podem também existir formas respiratórias de manifestação da doença (falta de ar, tosse, entre outras).
Geralmente acaba por haver um envolvimento progressivo da musculatura corporal de forma difusa, mas a progressão é muito variável. 
Quando a fraqueza muscular envolve músculos do pescoço ou do dorso, fala-se em forma axial. Finalmente, a ELA pode designar-se por “difusa” quando os existem queixas associadas a diversos pontos do corpo. A doença pode associar-se a uma forma de demência (fronto-temporal), havendo neste caso uma probabilidade mais elevada de se tratar de uma situação com base genética, podendo haver vários elementos da família afectados.

7. A Esclerose Lateral Amiotrófica tem cura? Atualmente ainda não existe uma cura para esta doença, embora exista um fármaco cuja toma, quando iniciada numa fase muito precoce da doença, permite prolongar um pouco a sobrevida dos doentes com ELA. É muito importante, por isso, que a investigação em torno de terapêuticas mais eficazes continue em curso.

Sabia que...
O cantor português José Afonso (Zeca) faleceu com a doença em 1987. Stephen Hawking, um dos mais brilhantes astrofísicos de todos os tempos e autor de “Breve História do Tempo”, também sofre da doença, que lhe foi diagnosticada aos 21 anos de idade (tem agora 72 anos).Nos Estados Unidos, a ELA é conhecida por Doença de Lou Gehrig, em homenagem ao famoso jogador de basebol das décadas de 1920 e 1930 conhecido por “cavalo de ferro”, que foi afectado por esta situação.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados