Envelhecimento celular: o papel do exercício físicoNotícias de Saúde

Sexta, 10 de Março de 2017 | 61 Visualizações

Fonte de imagem: Dr. Lucas Pench

Uma equipa de investigadores conduziu um estudo que poderá ter revelado o mecanismo através do qual o exercício físico ajuda a prevenir o envelhecimento celular.
 
O estudo liderado por Mathew Robinson, da Universidade de Oregon em Eugene, EUA, e equipa, dedicou-se ao estudo das mitocôndrias, consideradas como as geradoras de energia das células. A primeira função destes organelos é produzir trifosfato de adenosina, que é a molécula que transporta a energia química nas células. À medida que envelhecemos, a capacidade de as mitocôndrias gerarem energia diminui. 
 
Para o estudo, os investigadores recrutaram 36 homens e 36 mulheres que foram divididos em dois grupos: um de jovens, com 18 a 30 anos de idade, e o outro de mais velhos, com idades compreendidas entre os 65 e os 80 anos. 
 
Os participantes foram ainda divididos em três programas diferentes de exercício: um de ciclismo intervalado de alta intensidade, um de treino de força com pesos, e um que consistia numa combinação de treino intervalado e de força.
 
Foi igualmente recrutado um grupo de controlo constituído por voluntários sedentários, tendo sido comparada a constituição molecular entre os participantes nos treinos e o grupo de controlo através de biópsias dos músculos da coxa. Foi ainda avaliada a sensibilidade dos participantes à insulina.
 
Os investigadores apuraram que embora o treino de força fosse eficaz para formar massa muscular, o treino intervalado de alta intensidade exerceu o efeito mais acentuado a nível celular, especificamente nas mitocôndrias.
 
Os voluntários mais jovens que efetuaram o treino intervalado demonstraram um aumento de 49% na capacidade mitocôndria e os mais velhos, beneficiaram de um acréscimo ainda maior, de 69%.
 
Além deste benefício, foi observado que o treino intervalado melhorou igualmente a sensibilidade dos participantes à insulina, diminuindo assim o risco de diabetes. Mas este tipo de exercício foi menos benéfico para aumentar a força muscular.
 
“Com base em tudo o que sabemos, não existe substituto para estes programas de exercício quando se trata de atrasar o processo de envelhecimento. Estas coisas que observámos não podem ser conseguidas com nenhum fármaco”, comentou Sreekumaran Nair, autor sénior do estudo.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Cell Metabolism”

Notícias Relacionadas