Ébola: Estados Unidos diagnosticam primeiro caso de doente infetadoNotícias de Saúde

Quarta, 01 de Outubro de 2014 | 16 Visualizações

Fonte de imagem: Reuters

Os Estados Unidos diagnosticaram ontem o primeiro caso de um doente infetado com o vírus do Ébola no país, disse um porta-voz do Centro de Prevenção e Controlo de Doenças norte-americano (CDC).

Segundo a “Lusa”, o doente, um homem que viajou para a Libéria, está atualmente hospitalizado no Hospital Presbiteriano de Dallas, no Texas (sul).

«Tendo em conta os sintomas e as recentes viagens realizadas, nós internamo-lo no hospital e colocámo-lo em quarentena para determinar se ele estava infetado com o vírus do Ébola», adiantou.

A infeção foi confirmada por testes realizados pelo Centro de Prevenção e Controlo de Doenças (CDC).

A identidade ou a idade do doente e onde poderá ter sido infetado não foram divulgadas.

O doente é o primeiro a ser diagnosticado com Ébola nos Estados Unidos, embora alguns dos profissionais de saúde foram infetadas na África Ocidental e levados para o país para serem tratados, tendo conseguido recuperar.

O maior surto mundial de Ébola já infetou 6.574 pessoas em cinco países da África Ocidental e matou 3.091 pessoas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

O Centro de Prevenção e Controlo de Doenças (CDC) já avisou que não há perigo de contágio à população norte-americana.

EUA enviam mais 1.400 soldados para a Libéria para tentar travar o vírus

Os EUA vão enviar 1.400 soldados para a Libéria para ajudar a conter o vírus do Ébola, disse o Pentágono terça-feira, dia em que se conheceu o primeiro caso diagnosticado fora de África, precisamente em território norte-americano. 

O anúncio do envio destes militares nas próximas semanas coincidiu no dia em que o primeiro caso de um paciente, de regresso da Libéria, foi diagnosticado em solo norte-americano. 

Segundo a “Lusa”, cerca de 700 soldados da 101.ª Divisão Aerotransportada e outros tantos engenheiros militares devem ser deslocados para a capital da Libéria, Monrovia, próximo do fim de outubro, declarou à imprensa o porta-voz do Pentágono, o contra-almirante John Kirby.

Estes soldados vão juntar-se a cerca de outros 200 que já estão no terreno e integram um contingente total de três mil homens que o governo dos EUA anunciou querer enviar, para ajudar a formar trabalhadores sanitários e instalar hospitais e infraestruturas. 

O Presidente dos EUA, Barack Obama, tinha anunciado em setembro o projeto de enviar cerca de três mil soldados para a Libéria para fornecer apoio logístico no terreno aos trabalhadores que lutam todos os dias contra a epidemia, a mais grave desde o aparecimento do vírus em 1976. 

O número de vítimas mortais já ultrapassou os três mil, cerca de metade dos 6.500 casos recenseados, segundo a Organização Mundial de Saúde. 

Os soldados da 101.ª Divisão Aerotransportada vão instalar um quartel-general na Libéria, dirigido pelo general Gary Volesky, que vai substituir, no final de outubro, o atual chefe da missão, o major-general Darryl Williams.

Kirby adiantou que os militares estavam na Libéria para apoiar as outras agências civis dos EUA que participam na luta contra a epidemia.

O Pentágono garantiu ainda que os seus soldados não vão ter contactos diretos com os doentes infetados pelo vírus. 

As autoridades de saúde federais garantiram na terça-feira que podem impedir a propagação do vírus nos EUA.

Mais pessoas morrerão se comunidade internacional não responder - ONU

As Nações Unidas advertiram ontem que, se a comunidade internacional não combater eficazmente o vírus Ébola, morrerão mais pessoas, numa altura em que a Nigéria parece estar prestes a controlar a epidemia, avançou a “Lusa”.

O chefe da missão da ONU para a resposta de emergência ao vírus Ébola, Anthony Banbury, antecipou que «muita gente morrerá» se a comunidade internacional não adotar uma firme reação à epidemia, que já causou três mil mortos. 

«O mundo tem de agir agora para parar o Ébola. Isso significa uma mobilização internacional firme, logística, médica e social. Se não o fizermos, o vírus vai continuar a alastrar e muita, muita gente morrerá», prevê o responsável. 

Numa conferência de imprensa realizada no Gana, que, sem registo de casos, está convertido no centro logístico do combate à epidemia que afeta a África Ocidental, as Nações Unidas deram início a uma nova missão de resposta, que inclui a construção de centros de saúde. 

Ao mesmo tempo, organizações como os Médicos Sem Fronteiras e a Cruz Vermelha vão assegurar o tratamento dos doentes. O objetivo é que, no prazo de dois meses, 70 por cento dos infetados recebam tratamento e 70 por cento dos funerais sejam realizados de forma a impedir o contágio.

«É um plano muito ambicioso. Precisamos de fortes medidas de prevenção e resposta», reconheceu Banbury, assinalando o registo de cerca de quatro mil voluntários nas últimas 48 horas.

A sede da missão vai ficar baseada em Acra, capital do Gana, e acolher 250 funcionários, que se deslocarão aos países da África Ocidental mais afetados pelo vírus – Serra Leoa, Libéria e Guiné-Conacri –, que o próprio Banbury visitará nos próximos dias.

Por outro lado, a Nigéria, onde foram confirmados 19 casos, dos quais sete resultaram em mortes, parece estar prestes a vencer o combate à epidemia, graças a uma resposta rápida e coordenada, assinalou ontem o centro de controlo e prevenção de doenças dos Estados Unidos.

Se nenhum novo caso for declarado até quinta-feira, será possível afirmar que o vírus foi controlado na Nigéria, adiantou a unidade.

O presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, garantiu ontem, ao discursar perante a Assembleia Geral das Nações Unidas, que o país já está livre de perigo.

Partilhar esta notícia
Autor
Lusa
Referência

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados