Doenças cardíacas associadas a pensamentos negativos e ansiedadeNotícias de Saúde

Sábado, 25 de Fevereiro de 2017 | 78 Visualizações

Um novo estudo indicou que os pacientes com doença cardíaca ligeira são mais suscetíveis a sofrerem de ansiedade, dizer que têm uma saúde debilitada e apresentar uma atitude mais negativa do que a população em geral.
 
O estudo conduzido por investigadores liderados por Paula Mommersteeg, professora assistente de Psicologia Médica e Clínica da Universidade de Tilburg, Holanda, apurou ainda que esses problemas são mais prevalentes entre os pacientes do sexo feminino.
 
A equipa de investigadores contou, para o estudo, com a participação de 500 pessoas com doença cardíaca ligeira. Foi também recrutado um grupo de controlo com 1.300 indivíduos. Os participantes tinham idades compreendidas entre os 52 e os 70 anos. 
 
Foi solicitado aos participantes que respondessem a questionários sobre a saúde física e mental dos mesmos. 
 
Os participantes com problemas cardíacos declararam possuir um índice muito mais elevado de saúde debilitada, ansiedade e emoções negativas combinadas com uma inibição social em comparação com os participantes do grupo de controlo. 
 
As pacientes do sexo feminino disseram possuir mais problemas de saúde e ansiedade do que os pacientes do sexo masculino. "Ficámos muito intrigados com essas diferenças entre os sexos – não pensávamos que seriam tão evidentes”, comentou a autora principal do estudo. 
 
No entanto, este estudo não estabeleceu uma relação de causa e efeito.
 
Segundo os investigadores vários fatores poderão explicar a prevalência do sexo feminino em reportar estes problemas. Esta diferença nos sexos poderá ser devida ao grau académico, ao estado civil, idade de diagnóstico, normas culturais e sociais, historial laboral e consumo de bebidas alcoólicas.  
 
As doenças cardíacas ligeiras provocam um bloqueio parcial no fluxo sanguíneo para o coração. Os pacientes com estes problemas são mais suscetíveis de virem a desenvolver problemas cardíacos graves, enfarte agudo de miocárdio e de morrerem devido a qualquer causa.
 
Paula Mommersteeg considerou que a perceção sobre a saúde física e mental, bem como a personalidade, poderão exercer um impacto nos resultados relativos à saúde. Sendo assim, os médicos devem considerar fatores como atitudes negativas como sendo um fator de risco potencial para as doenças cardíacas, rematou.

 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Circulation: Cardiovascular Quality and Outcomes”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados