Doença periodontal associada a risco cardiovascularNotícias de Saúde

Segunda, 14 de Abril de 2014 | 39 Visualizações

As doenças periodontais, como a perda de dentes e gengivite, foram identificadas como um potencial marcador de risco da doença cardiovascular, dá conta um estudo publicado no “European Journal of Preventive Cardiology”.

Para o estudo os investigadores da Universidade da Uppsala, Suécia, contaram com a participação de 15.828 indivíduos de 39 países, todos com doença coronária crónica e pelo menos um fator de risco adicional para a doença coronária. Todos os participantes preencheram um questionário sobre o estilo de vida adotado, foram sujeitos a um exame físico e a um teste sanguíneo. Os participantes foram também questionados sobre a sua saúde oral, tendo fornecido informações sobre o número de dentes que ainda tinham e a frequência com que sangravam das gengivas.

O estudo apurou que os indicadores da doença periodontal, como perda de dentes ou hemorragia gengival, estavam associados a vários fatores de risco cardiovascular. A análise estatística demonstrou que o aumento da prevalência da perda de dentes estava significativamente associada a níveis mais elevados de glucose em jejum, de colesterol LDL, de pressão arterial sistólica e perímetro da cintura. Uma maior hemorragia das gengival foi também associada a elevados níveis de colesterol LDL e pressão arterial sistólica.

Por outro lado, uma menor perda de dentes estava associada a menores níveis de fatores de risco cardiovascular.

De acordo com os investigadores, estes resultados sugerem que há fatores de risco comuns entre as doenças orais e doença coronária. “A relação evidente e consistente entre a saúde oral e o risco cardiovascular sugere que a doença periodontal é um fator de risco da incidência da doença coronária”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Ola Vedin.

"O facto da doença periodontal ser um fator de risco independente da doença coronária é um assunto que ainda continua a ser debatido. Enquanto alguns estudos sugerem que há uma associação moderada, outros são contraditórios. Os nossos resultados demonstraram que há uma associação entre a doença periodontal auto-relatada e os vários fatores de risco cardiovascular e como tal, apoiam uma possível associação entre estas duas condições”, acrescentou o investigador.

No entanto, Ola Vedin, diz que não vai ao ponto de defender uma higiene oral mais rigorosa, como uma estratégia de redução do risco cardiovascular.

Partilhar esta notícia
Autor
Estudo publicado no “European Journal of Preventive Cardiology” / Alert Science
Referência
investigadores da Universidade da Uppsala, Suécia

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados