Doença do fígado gordo não alcoólica: descoberta nova viaNotícias de Saúde

Quarta, 14 de Dezembro de 2016 | 34 Visualizações

Fonte de imagem: Hipotire

Investigadores americanos descobriram uma via no fígado que pode conduzir a um novo tratamento para a doença do fígado gordo não alcoólica, uma condição que pode levar à cirrose e eventualmente cancro do fígado ou insuficiência renal, dá conta um estudo publicado na revista “Free Radical Biology & Medicine”.

Os investigadores da Universidade do Sul da Califórnia, da Universidade de Duke, da Universidade de Alabama e do Metabolon Inc. Research Triangle Park, nos EUA, descobriram que a proteína TRPV4, que faz parte do sistema de defesa do organismo, é capaz de ativar a libertação de óxido nítrico. Este gás bloqueia a enzima CYP2E1 que tem um papel central na doença hepática não alcoólica e na sua progressão. Estudos anteriores já tinham sugerido que a TRPV4 era capaz de proteger contra problemas cardiovasculares.

Agora que foi descoberto o potencial desta proteína no tratamento da doença do fígado gordo não alcoólica é necessário aproveitar as suas capacidades preventivas e tratamento. Na opinião dos investigadores, pode ser testada uma nova geração de agonistas da TRPV4 de forma a melhorar os resultados associados a esta doença hepática. Um agonista é uma substância química com capacidade de se ligar a esta proteína e ativar a libertação de óxido nítrico para bloquear a enzima nociva. Quando este agonista for identificado, pode ser incorporado na medicação para tratamento da doença do fígado gordo não alcoólica.

Saurbh Chatterjee, o líder do estudo, refere que atualmente não existem medicamentos clinicamente comprovados para tratar a doença do fígado gordo não alcoólica.

Para além de terem identificado os benefícios da ativação da TRPV4, os cientistas também alertaram para as consequências da inibição do canal iónico TRPV4, uma abordagem que pode aumentar a hepatotoxicidade, ou seja, danos ao fígado causados por produtos químicos, que podem resultar do acetaminofeno ou do consumo excessivo de álcool.

Wolfgang Liedtke, um dos autores do estudo, explica que isto significa que se deve ter cuidado quando se pretende inibir a TRPV4 para fins terapêuticos, nomeadamente quando se trata a dor, inflamação ou outras condições, particularmente quando se inibe a TRPV4 através da administração sistémica de bloqueadores da TRPV4.

Os investigadores concluem que este estudo tem assim o potencial de ter um impacto significativo tanto para os indivíduos como para a saúde pública. Este tipo de investigação, que procura novas vias de tratamento para doenças para as quais não existem, atualmente, opções terapêuticas é muito importante. Os cientistas acrescentam que estes resultados podem de facto conduzir a tratamentos capazes de melhorar a qualidade de vida dos pacientes ou até mesmo salvar vidas. 

A doença do fígado gordo não alcoólica ocorre quando há uma acumulação excessiva de gordura no fígado acoplada à inflamação que não é causada pelo álcool. Esta doença, que afeta tanto crianças como adultos, tende a ocorrer em indivíduos que são obesos ou têm excesso de peso, com diabetes tipo 2, bem como níveis de colesterol e triglicerídeos elevados. Contudo, alguns indivíduos desenvolvem esta condição apesar de não apresentarem nenhum destes fatores de risco, o que sugere que existem possivelmente fatores genéticos envolvidos. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Free Radical Biology & Medicine”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados