Desenvolvidos novos compostos com ferro para alimentar melhor as plantasNotícias de Saúde

Segunda, 09 de Outubro de 2017 | 6 Visualizações

Fonte de imagem: Pharmaceutical Microbiology

O projeto conhecido como FerPlant, foi conduzido pelo laboratório REQUIMTE, no Porto. 
 
Maria da Conceição Rangel, uma das responsáveis pelo projeto, disse que segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a anemia por deficiência em ferro "é a disfunção nutricional mais frequente na população humana e afeta países em desenvolvimento e industrializados".
 
Em alguns países, continuou, 80% do ferro provém de alimentos de origem vegetal, como os cereais, os vegetais e os frutos.
 
"Estes alimentos são consumidos diretamente, mas não se deve esquecer que são as plantas que alimentam os animais que fazem parte da alimentação humana", sendo a sua saúde "crucial para a saúde humana", afirmou.
 
O objetivo do FerPlant passa por descobrir novos fertilizantes de ferro, nutriente "essencial à vida" mas "muito inacessível no solo", visto encontrar-se na forma de compostos que não se dissolvem facilmente, explicou.
 
Este problema, segundo a investigadora, é especialmente grave em solos alcalinos, que estão presentes em cerca de um terço dos solos aráveis do mundo.
 
Embora as plantas possuam estratégias para obtenção de ferro, muitas vezes há necessidade de utilizar fertilizantes sintéticos (compostos que são capazes de veicular o ferro de forma mais eficiente) para suprir a sua deficiência.
 
Os novos fertilizantes desenvolvidos pelo grupo de investigação, diferentes dos que existem atualmente no mercado, permitem às plantas absorver melhor o ferro através das raízes e transportá-la de forma mais eficiente para as partes aéreas (caule e folhas).
 
Um ensaio demonstrou que "as plantas tratadas com o novo composto mostraram-se significativamente mais verdes, com maior biomassa e maior acumulação de ferro, quando comparadas com aquelas tratadas com um dos fertilizantes disponíveis no mercado", contou Maria da Conceição Rangel.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo desenvolvido pelo laboratório REQUIMTE