Desenvolvido teste rápido e barato para detetar maláriaNotícias de Saúde

Terça, 04 de Junho de 2019 | 4 Visualizações

Fonte de imagem: RFI

Cientistas estão a desenvolver em Portugal um teste rápido e barato feito com grafeno para detetar precocemente a malária, divulgou a agência Lusa.
 
O projeto está a ser concebido por investigadores do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL) e do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Universidade do Minho, ambos em Braga.
 
Trata-se de um “chip” com sensores de grafeno capazes de detetar todas as estirpes do parasita da malária humana através da análise da presença do seu ADN numa gota de saliva ou urina de um doente. O desenho do dispositivo está atualmente a ser trabalhado por uma equipa do INL.
 
Comparativamente às técnicas convencionais de análise de ADN já usadas para diagnosticar a malária, o teste que está a ser desenvolvido pelas equipas do INL e do ICVS pretende ser um método mais rápido, barato, portátil e fácil de utilizar, inclusive por pessoal não técnico, para detetar a doença quando os sintomas ainda não se manifestaram e, assim, contribuir para dar ao doente o tratamento adequado de forma mais célere.
 
A ser bem-sucedido, o teste pode ser utilizado tanto nas regiões tropicais e mais pobres, onde a malária é endémica, como em locais de grande circulação de pessoas que possam “importar” a doença, como os aeroportos. A tecnologia poderá, eventualmente, ser replicada na deteção de outras doenças infeciosas, como a tuberculose.
 
O recurso ao grafeno, já aplicado em sensores para detetar bactérias no vinho, deve-se, segundo a investigadora do INL Joana Guerreiro, à "alta sensibilidade" do material, que permite um diagnóstico preciso, nomeadamente das várias estirpes do parasita da malária, e à sua "elevada estabilidade", que o torna resistente a variações de temperatura e humidade, típicas das regiões tropicais.
 
Pedro Ferreira, cientista especialista no estudo da malária que coordena a equipa do ICVS no projeto, espera que o dispositivo possa estar pronto em 2020 para ser validado em 2021 em doentes por comparação com pessoas saudáveis e com os métodos convencionais de análise de ADN.
 
O diagnóstico da malária faz-se, atualmente, através de análises ao sangue para detetar o parasita ou anticorpos e de técnicas para identificar o ADN do parasita, que são mais morosas, caras e complexas.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo do INL e da Universidade do Minho

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados