Desenvolvido novo tratamento para a doença celíacaNotícias de Saúde

Segunda, 01 de Outubro de 2018 | 60 Visualizações

Fonte de imagem: US News Health

Uma equipa de investigadores desenvolveu um medicamento que consegue aliviar, ou mesmo eliminar, os sintomas da doença celíaca na totalidade. 
 
A doença celíaca é caracterizada por uma hipersensibilidade ao glúten, um composto presente em cereais como a cevada e o trigo, afetando 1 a 2% da população europeia.
 
Os fármacos já propostos para tratar a doença afetam o sistema imunitário. Porém, os investigadores da Universidade de Tecnologia de Viena, na Áustria, conseguiram desenvolver um produto médico simples que ataca diretamente as moléculas do glúten, tornando-as inofensivas. 
 
Devido a este facto, o processo de aprovação do novo fármaco será muito mais simples e o produto poderá estar disponível nas farmácias já em 2021. 
 
Oliver Spadiut, investigador neste estudo, explica como funciona: “os nossos organismos produzem anticorpos que se encaixam de forma precisa nos antígenos invasores, tal como uma chave numa fechadura”.
 
“Se um novo fragmento de anticorpo for encontrado e produzido de forma a abalroar e a bloquear a molécula de glúten invasora sem desencadear o sistema imunitário, os sintomas da doença celíaca poderão ser suprimidos”, acrescentou o investigador.
 
O projeto de pesquisa tinha como objetivo produzir um complexo de dois fragmentos de anticorpos daquele género, que envolvessem a molécula de glúten a nível molecular, de forma a que a mesma deixasse de ter efeito sobre os intestinos. 
 
Para tal, determinadas bactérias têm que ser reprogramadas para que produzam exatamente o fragmento de anticorpo necessário, um processo que é bastante complicado, segundo explicou Oliver Spadiut. No entanto, a equipa desenvolveu uma forma de conseguir as proteínas necessárias. 
 
O novo produto será uma preparação que os doentes celíacos poderão tomar juntamente com alimentos com glúten, atuando sobre os sintomas celíacos. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “BMC Biotechnology”

Info-Saúde Relacionados