Desenvolvida aplicação móvel que deteta sinais de ParkinsonNotícias de Saúde

Quarta, 25 de Outubro de 2017 | 24 Visualizações

Fonte de imagem: Massive. Online

Investigadores portugueses da Faculdade de Motricidade Humana ajudaram a desenvolver uma aplicação para telemóvel que permite detetar precocemente sinais de Parkinson, noticiou a agência Lusa.
 
A aplicação para dispositivos Android (telemóveis ou ‘tablets’) foi criada no âmbito de um projeto de investigação europeu que envolve 11 organizações de seis países: Portugal, Grécia, Bélgica, Alemanha, Suécia e Reino Unido.
 
José Alves Diniz, responsável pelo projeto em Portugal, explicou que o objetivo central da aplicação é “conseguir fazer uma deteção precoce da doença de Parkinson”.
 
“Até agora, desde que os primeiros sinais aparecem até que se possa fazer um diagnóstico, pode demorar 15 anos ou mais. Estamos a trabalhar para conseguir - e essa aplicação é decisiva - realizar uma deteção mais precoce da doença e passar a ser possível intervir mais cedo”, afirma à agência Lusa o investigador.
 
A aplicação recolhe dados durante a interação diária dos utilizadores, como quando falam, digitam texto ou enviam uma mensagem. “Do ponto de vista da voz existe uma característica específica dos doentes de Parkinson. A aplicação, do ponto de vista da análise da voz, deteta se esse padrão está ou não presente”, explica José Alves Diniz.
 
A aplicação envia para uma base de dados apenas a informação relativa à ausência ou presença desses sinais específicos. A conversação é analisada em tempo real pela aplicação e só é enviada informação sobre a deteção dos sinais, não sendo reproduzida qualquer conversa, assegura o investigador da Faculdade de Motricidade Humana.
 
“Não é de maneira nenhuma um espião que envia tudo para uma base de dados. Capta a informação, faz o tratamento da informação e envia dados que são anónimos e só reproduzem o que são os sinais de presença ou ausência da possibilidade de ter a doença de Parkinson”, frisa.
 
A aplicação faz ainda a análise da forma como se manuseia o dispositivo móvel ou como usa o teclado, aproveitando os sensores dos aparelhos, o que pode permitir detetar alguns tremores que são caraterísticos da doença.
 
Caso sejam detetados indícios ou sintomas, a pessoa é contactada para saber se quer ser seguida pela equipa médica que integra o projeto, que é quem pode ou não concretizar um diagnóstico.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas