Desejo por 'comida de plástico' está nos genesNotícias de Saúde

Segunda, 09 de Novembro de 2015 | 32 Visualizações

Fonte de imagem: danielmoscardo.

O cérebro de algumas pessoas está ‘programado’ para sentir desejo por alimentos menos saudáveis, mais calóricos e gordurosos.

Afinal, existe uma resposta científica para a vontade insaciável de algumas pessoas por comida de plástico, como bolachas, pizza, pipocas, hambúrguer ou outras refeições pré-feitas.

De acordo com uma investigação do Imperial College London, a culpa é dos genes… e não da pessoa em si. Dizem os investigadores britânicos que algumas pessoas nascem ‘programadas’ para desejar alimentos menos saudáveis, mais calóricos e gordurosos.

Em causa, lê-se no Daily Mail, estão as duas variantes genéticas FTO e DRD2, ambas responsáveis pelos desejos intensos por alimentos de ‘plástico’, e que se alteram consoante os níveis de dopamina, a hormona responsável pelo sentimento de felicidade, recompensa e prazer.

O estudo

Nesta investigação participaram 45 homens europeus caucasianos que, na noite de investigação, tiveram que se manter em jejum. Depois, e de estômago vazio, os participantes tiveram que olhar para uma série de imagens de alimentos altamente calóricos ou saudáveis e tiveram que avaliar o quão atraentes esses alimentos eram.

Durante esta análise, os investigadores analisaram a atividade cerebral dos participantes através de ressonância magnética. Foi ainda recolhida uma amostra de ADN de cada um dos inquiridos.

Assim que cruzaram todos os dados – a avaliação dos alimentos, as ressonâncias magnéticas e o teste de ADN – os investigadores notaram que as pessoas que tinham a mutação dos genes FTO (conhecido por predispor a pessoa à obesidade) e o DRD2 (que faz com que os alimentos menos saudáveis sejam vistos como recompensa e prazer) eram mais propensas a desejar os alimentos mais calóricos.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas