Descongelar carne: água vs micro-ondasNotícias de Saúde

Domingo, 28 de Fevereiro de 2016 | 1153 Visualizações

Fonte de imagem: gshow.globo

Os prós e os contras de cada método de descongelação dos alimentos.   

Há muitas formas de descongelar a carne, mas nem todas são seguras.

A melhor forma (e mais segura) é passar a carne do congelador para o frigorífico e deixá-la descongelar lentamente. Mas demora algumas horas.

E quando não tem tempo? A revista Prevention falou com dois especialistas em segurança alimentar, Catherine Cutter e Stephanie Doore, da Pennsylvania State University, que revelam os prós e os contras de cada método de descongelação mais rápida do que o frigorífico.

Água fria. Manter a carne num saco fechado sob água corrente fria ou num alguidar (sendo que deve substituir a água a cada 30 minutos). Prós: É mais rápido do que o frigorífico e como a água é fria evita que a carne fique quente e os germes comecem a crescer. Também não lhe vai ‘cozer’ a carne, como o micro-ondas.

Contras: Este método exige mais atenção do que quando usa o frigorífico ou o microondas. Precisa de mudar a água a cada 30 minutos ou permitir que a água fique a correr sobre a carne. Também deve certificar-se de que o saco está devidamente selado, para evitar que a carne fique encharcada e as bactérias entrem.

Deve evitar usar água quente porque propícia o surgimento de bactérias, especialmente se a carne ficar na água durante algum tempo.

Micro-ondas. Prós: É, sem dúvida, o método mais rápido, conveniente e não requer muita atenção.

Contras: O micro-ondas deixa a comida parcialmente cozinhada. O que não é necessariamente mau, mas que significa que deve preparar a carne mal a tire do micro-ondas para evitar que as bactérias se multipliquem nas partes mais quentes. Deve ainda certificar-se de que o recipiente onde tem a carne pode ir ao micro-ondas, para que este não derreta e contamine a carne – sendo que as placas de esferovite onde a carne geralmente é posta nos supermercados nunca devem ir ao micro-ondas, sob pena de ficarem altamente tóxicas. 

Partilhar esta notícia
Referência