Descoberto novo tratamento contra o cancro do ovárioNotícias de Saúde

Terça, 24 de Junho de 2014 | 72 Visualizações

 

Um grupo de médicos do centro de oncologia da Universidade do Arizona, nos EUA, acaba de anunciar a descoberta de um novo tratamento para o cancro do ovário capaz de diminuir o tamanho dos tumores e desacelerar a progressão da doença.

A terapia em causa foi dada a conhecer esta semana através de um estudo publicado na revista científica Lancet Oncology e baseia-se no uso do trebananib, um fármaco que tem como alvo a angiogénese, ou seja, o processo pelo qual se desenvolvem novos vasos sanguíneos em redor dos tumores cancerígenos.

Em comunicado, os cientistas explicam que o medicamento atua segundo um mecanismo "muito diferente" de outros agentes farmacológicos, acrescentando que, ao contrário de outros medicamentos, o trebananib "não aumenta os riscos de hipertensão arterial e de perfuração do intestino", apresentando, porém, "um impacto semelhante ao nível da redução dos tumores e do atraso da progressão do cancro". 

As conclusões surgem em sequência de um ensaio clínico aleatório de fase III que acrescentou a toma de trebananib (ou de um placebo) à quimioterapia convencional em 919 mulheres com cancro do ovário recorrente oriundas de 179 instituições médicas de 32 países.

"Esta é uma medicação com resultados entusiasmantes no tratamento do cancro do ovário recorrente, que é quase sempre fatal e que, portanto, exige desesperadamente novos tratamentos", explica Bradley J. Monk, coordenador do estudo e diretor da unidade de ginecologia oncológica do centro médico da universidade norte-americana. 

De acordo com o investigador, o ensaio clínico efetuado revelou "que a angiogénese é um processo complexo na oncologia" e que atacar novos alvos poderá permitir aos cientistas "inibir de forma mais eficaz o crescimento de novos vasos sanguíneos que são indispensáveis à progressão do cancro e ao aparecimento de metástases".

"Se conseguirmos impedir os cancros de crescer ao privá-los do abastecimento de sangue, podemos ajudar as nossas pacientes a sentirem-se melhor e a viverem mais tempo", conclui Monk. 

A equipa da Universidade do Arizona está já, entretanto, a realizar outros dois ensaios clínicos cujos resultados deverão ser apresentados dentro de um ano e poderão vir a permitir obter a permissão da autoridade norte-americana do medicamento (Food and Drug Administration - FDA) para administração do fármaco às mulheres com cancro do ovário.

Clique Aqui para aceder ao resumo do estudo publicado na Lancet Oncology (em inglês).

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na Lancet Oncology

Notícias Relacionadas