Descoberta pode levar à prevenção de cardiomiopatia hipertróficaNotícias de Saúde

Sábado, 13 de Fevereiro de 2016 | 122 Visualizações

Fonte de imagem: fisionerds

Cientistas norte-americanos desenvolveram um tratamento com potencial para prevenir a cardiomiopatia hipertrófica (CMH), uma doença hereditária, geralmente associada a morte súbita, que pode conduzir ao espessamento das paredes musculares do coração, impedindo este de bombear sangue devidamente, e resultando em insuficiência cardíaca.
 
A CMH encontra-se associada à mutação de várias proteínas no coração, nomeadamente da miosina, que desempenha a função de um pequeno motor das células cardíacas. Esta proteína interage com uma outra, a actina, para conduzir as contrações e relaxamento envolvidos no bombeamento do sangue pelo coração.
 
Embora durante muito tempo se suspeitasse que a mutação provocasse um enfraquecimento da ação da miosina, os cientistas descobriram já no início do milénio que o problema era exatamente o contrário: a mutação provocava um aumento da ação da miosina, conduzindo a stress interno e danos estruturais.
 
Cientistas das universidades de Harvard, Stanford, do Colorado e da empresa biotecnológica MyoKardia Inc., nos EUA, afirmam, em publicação da “Science”, ter descoberto uma forma de tratar este problema.
 
Para a investigação os cientistas usaram ratinhos com a mutação da miosina, nos quais testaram uma molécula inibidora da miosina que regula a ação desta para um nível mais aproximado do normal. Os ratinhos receberam o fármaco às oito semanas de idade e, de acordo com o estudo, o coração destes desenvolveu-se normalmente, impedindo o aparecimento da CMH.
 
Visto a CMH ser uma doença hereditária, isto pode significar que, no futuro, uma criança diagnosticada com a mutação genética responsável pela doença poderá receber tratamento para evitá-la.
 
Contudo, o desenvolvimento de um fármaco para humanos requer ainda muitos mais testes, assim como a resposta a muitas outras questões.
 
Ainda assim, de acordo com especialistas, trata-se de uma investigação com grande potencial.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo divulgado na revista “Science”