Descoberta enzima que tem o efeito do exercício físicoNotícias de Saúde

Segunda, 24 de Novembro de 2014 | 359 Visualizações

Investigadores de uma multinacional alimentar estão a desenvolver alimentos com uma enzima que regula o metabolismo e que é capaz de reproduzir o efeito do exercício físico no corpo. O estudo foi publicado, quarta-feira, na revista científica Chemistry and Biology.

A investigação da Nestlé revela que este tipo de alimentos pode ser útill para regular o balanço energético do corpo sobretudo em indivíduos com idade mais elevada, com estilos de vida sedentários ou com incapacidades físicas.

Os cientistas do Nestlé Institute of Health and Sciences (NIHS), na Suíça, examinaram o metabolismo humano através de uma enzima que regula o balanço energético do corpo, a AMPK.

O estudo publicado na revista científica Chemistry and Biology revela que a AMPK tem um papel fundamental para os processos fisiológicos do organismo, como a segregação de hormonas essenciais para a função muscular e cerebral.

 

"A AMPK é uma proteína-chave para cada célula do nosso corpo e é naturalmente ativada pela exercício físico. Regula o nosso balanço energético, como o indicador num automóvel, e diz-nos como 'recarregar' energias quando estas estão em baixo", afirmou Kei Sakamoto, investigador no NIHS.

A pesquisa pode trazer benefícios para pessoas com obesidade mórbida ou doentes com diabetes Tipo 2 - nos quais o metabolismo não reage à insulina e as células musculares não conseguem obter glicose.

A equipa está agora a trabalhar no sentido de criar produtos alimentares enriquecidos com esta enzima, de forma a melhorar o metabolismo, ajudando o corpo a transformar a glucose e a gordura em músculo.

O investigador do NIHS avisa, no entanto, para o facto de este tipo de produto não substituir totalmente o exercício físico, porque estas atividades têm "um papel cognitivo e fisiológico, que nunca poderá ser reproduzido num único suplemento".

Clique AQUI para ler o comunicado completo.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista científica Chemistry and Biology

Notícias Relacionadas