Descanso mental e reflexão melhoram aprendizagemNotícias de Saúde

Quinta, 23 de Outubro de 2014 | 25 Visualizações

Os mecanismos cerebrais envolvidos no descanso ou na reflexão da informação já aprendida podem melhorar a aprendizagem futura, dá conta um estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”.

De forma a chegarem a estas conclusões, os investigadores da Universidade do Texas, nos EUA, forneceram aos participantes duas tarefas de aprendizagem que incluíam a memorização de diferentes pares de fotos associadas. Entre as tarefas, os participantes descansavam e podiam pensar sobre o que quisessem.

As ressonâncias magnéticas realizadas aos participantes demonstraram que aqueles que utilizaram este tempo para refletir no que tinham aprendido no início do dia obtiveram melhores resultados nos testes que avaliaram a sua aprendizagem posterior. Isto foi especialmente observado quando havia sobreposição de informação entre as duas tarefas. Os participantes pareciam estar a fazer associações que os ajudaram a absorver a informação posterior, mesmo que esta apenas estivesse vagamente associada a algo que tinham aprendido anteriormente.

“Pela primeira vez demonstrámos que a forma como o cérebro processa a informação durante o descanso pode melhorar a aprendizagem futura. A repetição das memórias ao longo do repouso torna essas memórias mais fortes, não tendo apenas impacto no conteúdo original, mas também nas memórias futuras”, revelou, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Alison Preston.

Alguns cientistas têm assumido que as memórias passadas são mais suscetíveis de interferir nas novas aprendizagens. "Nada acontece de forma isolada. Quando se está a aprender algo novo, chega à mente toda a informação que as pessoas sabem que está relacionada. Ao fazer isso, as pessoas estão a incorporar a nova informação no seu conhecimento existente”, explicou a investigadora.

Na opinião de Alison Preston, estes resultados poderão ajudar os professores a desenvolver formas mais eficazes de ensino.

Partilhar esta notícia
Referência
estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”