Depressão e antidepressivos: maior risco de tromboembolismo venoso?Notícias de Saúde

Domingo, 12 de Maio de 2019 | 14 Visualizações

Fonte de imagem: Medical News Today

A depressão e o uso de fármacos antidepressivos estão associados a um risco mais elevado de tromboembolismo venoso, atestou um novo estudo.
 
O tromboembolismo venoso é uma doença que pode ser fatal, consistindo na formação de coágulos nas veias das pernas ou pulmões. O seu tratamento é muito dispendioso. 
 
O estudo foi conduzido por uma equipa de investigadores da Unidade de Investigação Músculo-Esquelética da Universidade de Bristol, Reino Unido, e teve como base a mata-análise de oito estudos observacionais sobre a temática, e que incluíam dados sobre 960.113 participantes e 9 027 casos de tromboembolismo venoso.
 
A meta-análise efetuada pelos investigadores demonstrou, efetivamente, uma relação entre a depressão e o uso de fármacos antidepressivos e o tromboembolismo venoso, embora não provasse se os achados são provocados principalmente pelos fármacos, pela própria depressão ou se por ambos. 
 
A prescrição de medicação antidepressiva tem vindo a aumentar globalmente. Considerando que o tromboembolismo venoso é um problema de saúde pública, este estudo realça a necessidade de os profissionais de saúde que passam prescrições avaliarem os pacientes no sentido de determinarem um risco excessivo em relação à doença.
 
Este estudo não prova uma causa e efeito, sendo necessários mais estudos para determinar se as associações detetadas são causais ou se é a depressão ou o uso de antidepressivos, ou ambos, que causam um aumento no risco de tromboembolismo venoso. 
 
Seriam necessários estudos que pudessem isolar a depressão da medicação antidepressiva. Por exemplo, os investigadores podem avaliar indivíduos que não estão deprimidos, mas usam antidepressivos para outra doença que não a depressão.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Annals of Medicine”

Notícias Relacionadas