Depressão aos 20 anos associada a perda de memória aos 50Notícias de Saúde

Segunda, 25 de Março de 2019 | 15 Visualizações

Fonte de imagem: The Conversation

Os indivíduos que experienciam episódios de depressão e de ansiedade entre os 20 e os 50 anos de idade, foram associados a uma deterioração na função da memória na meia-idade, observou um estudo.
 
Conduzido por uma equipa de psicólogos da Universidade de Sussex, Reino Unido, o estudo foi o primeiro a estabelecer uma forte ligação entre os sintomas depressivos a partir do início da idade adulta e ao longo de três décadas e uma deterioração na função cognitiva após os 50 anos de idade.
 
Para a sua investigação, os investigadores contaram com dados recolhidos do Estudo Nacional do Desenvolvimento da Criança que teve início em 1958, com uma coorte de 18.000 bebés. Os participantes foram acompanhados desde o nascimento e ao longo da infância e idade adulta.
 
A análise dos dados recolhidos revelou que a acumulação de sintomas experienciados pelos participantes ao longo de 30 anos constituía um forte indicador de um declínio linear na função cognitiva na altura em que aqueles atingiam os 50 anos de idade.
 
Foi observado, particularmente, que um episódio de depressão ou ansiedade pouco influenciava a função da memória dos participantes na meia-idade, independentemente da idade em que esse episódio tinha ocorrido.
 
Porém, a ocorrência de dois ou três episódios ao longo das três décadas previa um decréscimo rápido na função da memória dos participantes na altura da meia-idade.
 
Além de terem avaliado a memória, os investigadores debruçaram-se ainda sobre a fluência verbal, velocidade e exatidão do processamento da informação nos participantes aos 50 anos de idade. Foi verificado que os episódios de ansiedade e depressão exerciam pouco impacto nestas áreas, um achado considerado encorajador pela equipa.
 
No entanto, a perda de memória associada à ocorrência daquele tipo de episódios poderá ajudar a prognosticar a demência numa fase mais tardia da vida.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “The British Journal of Psychiatry”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados