Dependência tecnológica e impulso: a relação do momentoNotícias de Saúde

Segunda, 21 de Março de 2016 | 17 Visualizações

Fonte de imagem: Pixabay

Estar mais de duas ou três horas sem um dispositivo móvel pode ser uma verdadeira dor de cabeça. 

Impacientes e ansiosas. É assim que a ciência descreve as pessoas que não conseguem estar um minuto que seja sem os seus telemóveis ou sem consultar os dispositivos móveis.

De acordo com um teste realizado pela Universidade Temple (EUA), as pessoas ‘viciadas’ nos telemóveis são mais impulsivas e não conseguem conter esta caraterística, preferindo, por exemplo, recompensas menores do que ter que esperar por recompensas maiores.

Para os investigadores, as pessoas que estão sempre coladas ao telemóvel acabam por desenvolver uma grave incapacidade de controlar os impulsos, fazendo com que ‘desaprendam’ a esperar e a dar valor por tudo o que demora tempo.

Uma parte das culpas deve-se ao facto das pessoas estarem sempre dependentes das notificações, respostas e estímulos imediatos das redes sociais, acabando por não conseguir separar a realidade do mundo digital da realidade verdadeira.

E os números falam por si: uma pessoa dependente das redes sociais e dos dispositivos móveis podem consultar o telemóvel ou tablet mais de 85 vezes por dia, estando, em média, cinco horas coladas ao ecrã.

O estudo envolveu a análise a 91 alunos e as conclusões finais foram publicadas na Psychonomic Bulletin & Review.

Partilhar esta notícia
Referência