Crianças que praticam desporto com menos sintomas depressivosNotícias de Saúde

Terça, 26 de Março de 2019 | 12 Visualizações

Fonte de imagem: YouTube

Um novo estudo indicou uma associação entre a prática de desportos por crianças e menos sintomas depressivos, associação esta não verificada com atividades não desportivas.
 
Conduzido por investigadores da Universidade de Washington em St. Louis, EUA, o estudo revelou ainda que aquela associação foi observada apenas em rapazes.
 
“Estes interessantes resultados dão-nos chaves importantes de como o exercício beneficia o estado de humor em crianças e revela o papel importante que o género desempenha nestes efeitos”, comentou Cameron Carter, editor da revista "Biological Psychiatry: Cognitive Neuroscience and Neuroimaging”.
 
Para o estudo, os investigadores contaram com a participação de 4.191 crianças dos nove aos 11 anos de idade. Foi estudado o impacto da prática de 23 desportos sobre sintomas depressivos nas crianças. A equipa usou ressonância magnética para analisar o cérebro dos pequenos participantes.
 
O envolvimento em desportos por parte das crianças foi associado a um aumento no volume do hipocampo, tanto em rapazes como em raparigas. O hipocampo é uma região do cérebro importante para a memória e resposta ao stress.
 
Porém, o volume do hipocampo foi associado a sintomas depressivos apenas em rapazes, o que sugere que as alterações no hipocampo poderão estar envolvidas na relação entre a prática de desporto e os sintomas depressivos.
 
Os investigadores apuraram que a relação entre desporto e menos sintomas depressivos era mais forte com a prática de desportos de equipa que envolvessem uma estruturação, como uma equipa escolar ou aulas regulares.
 
Aquela relação foi verificada exclusivamente com a participação em desportos. Não foi analisado o impacto da participação em outros tipos de atividade, como artes, músicas e clubes, explicou Lisa Gorham, autora principal e sénior do estudo.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Biological Psychiatry: Cognitive Neuroscience and Neuroimaging”

Notícias Relacionadas