Consumir peixe pode prolongar a longevidadeNotícias de Saúde

Quarta, 25 de Julho de 2018 | 41 Visualizações

Fonte de imagem: Casa News Feed

Um estudo recente sugeriu que seguir uma alimentação rica em peixe pode prolongar a longevidade.
 
O achado foi efetuado na sequência de uma análise efetuada, por uma equipa internacional de investigadores, aos resultados do maior estudo efetuados sobre a saúde e a alimentação que seguiu 240.729 homens e 180.580 mulheres durante um período de 16 anos, conhecido como “NIH‐AARP Diet and Health Study”.
 
Os participantes no estudo deram informação relativa aos seus hábitos alimentares, tendo a saúde dos mesmos sido monitorizada no decorrer dos 16 anos de acompanhamento. Durante aquele período morreram 54.230 homens e 30.882 mulheres. 
 
De forma geral, foi apurado que o consumo de mais peixe e de ácidos gordos ómega 3 de cadeia longa fazia reduzir a mortalidade total. Nos homens que consumiam mais peixe, a redução no risco de mortalidade foi de 9% em relação aos que consumiam menos peixe. Nas mulheres, o mesmo risco comparativo foi de 8%.
 
Relativamente às causas de morte, nos homens que comiam mais peixe, em relação aos que consumiam menos, verificou-se uma redução na mortalidade de 10% por doença cardiovascular, de 6% por cancro, de 20% por doença respiratória e de 37% por doença hepática crónica.
 
Nas mulheres, em relação às que comiam menos peixe, nas que consumiam mais apurou-se uma redução da mortalidade de 10% por doença cardiovascular e de 38% por Alzheimer. 
 
Adicionalmente, nos homens e mulheres que revelavam maiores consumos de ómega 3, a redução na mortalidade cardiovascular foi de 15% e de 18%, respetivamente. 
 
Os benefícios observados não se aplicaram, no entanto, ao peixe frito, não se verificando um impacto sobre a mortalidade nos homens. Contudo, nas mulheres, o peixe cozinhado daquela forma fez aumentar o risco de morte por doença cardiovascular, doença respiratória e mortalidade em geral. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Journal of Internal Medicine”