Compostos naturais combatem cancro da próstataNotícias de Saúde

Sexta, 23 de Junho de 2017 | 44 Visualizações

Fonte de imagem: Reader's Digest

Um novo estudo apurou que os compostos de casca de maçã, uva e de açafrão-da-terra são eficazes na prevenção e combate do cancro da próstata.
 
O estudo conduzido por uma equipa de investigadores do Departamento de Ciências da Nutrição e do Instituto de Investigação Pediátrica Dell, na Universidade do Texas em Austin, EUA, apurou que aqueles compostos naturais têm a capacidade de efetivamente exterminar as células cancerígenas retirando-lhes a fonte de nutrição.
 
Para o estudo, Stefano Tiziani, coautor do estudo, e colegas testaram 142 compostos naturais com uma técnica de rastreio nova, com o intuito de identificarem os mais eficazes para travar o crescimento das células cancerígenas da próstata.
 
Os compostos foram testados em humanos e ratinhos, individualmente ou combinados com outros compostos. 
 
A equipa identificou três compostos como os mais eficazes para travar o crescimento daquele tipo de cancro: ácido ursólico, que se encontra na casca da maçã, resveratrol que se encontra nas uvas pretas e frutos vermelhos e curcuma, um composto presente no açafrão-da-terra.
 
Foi igualmente apurado que a combinação de ácido ursólico com curcuma ou resveratrol fazia impedir a absorção de glutamina (um aminoácido necessário para o crescimento das células cancerígenas) pelas células de cancro da próstata, evitando o crescimento de tumores em ratinhos.  
 
Adicionalmente, devido ao facto de a curcuma, ácido ursólico e resveratrol serem compostos naturais, os mesmos não causaram qualquer toxicidade nos ratinhos. 
 
A equipa lembrou, no entanto, que as concentrações dos compostos administradas eram superiores às obtidas normalmente através da alimentação. 
 
Mesmo assim, a equipa considera que estes achados são promissores como uma estratégia natural para prevenir e tratar o cancro da próstata, sendo apenas necessário aumentar as concentrações dos compostos. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista científica “Precision Oncology”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados