Como os sons (e quais sons) interferem com o sonoNotícias de Saúde

Sábado, 07 de Novembro de 2015 | 87 Visualizações

Fonte de imagem: oglobo.globo

O som tanto pode ter uma influência positiva como negativa no sono. E nem aqueles que ‘dormem como uma pedra’ escapam. 

Há sons e sons. Uns mais agradáveis, outros nem tanto. Mas todos interferem com o sono, seja de forma positiva ou negativa.

Mas, como é que sabemos quais os sons que podem prejudicar a qualidade do sono? A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem a resposta no seu relatório Diretrizes do Ruído Noturno, diz o Huffington Post.

Assim sendo, os sons com menos de 30 decibéis – como é o som da respiração normal ou de um ronco mais leve, o som dos ponteiros de um relógio de parede ou o som de um ambiente rural – pouco ou nada interferem com o sono da grande maioria das pessoas. Contudo, podem é prejudicar a capacidade de adormecer.

Já os sons entre os 30 e os 40 decibéis mostram-se com potencial para despertar ou para provocar movimentos durante o sono No caso das crianças e dos idosos, estes sons podem prejudicar o sono. São eles: conversas numa sala silenciosa, chamadas telefónicas, aves ou som ambiente de uma área residencial tranquila.

De acordo com a informação avançada pelo Huffington Post, os sons que oscilam entre os 40 e 55 decibéis podem ter efeito para a saúde, uma vez que são capazes de interferir com o sono da grande maioria das pessoas. É o exemplo das chuvadas fortes, o som de um frigorífico ou arca frigorífica ou uma zona residencial mais acelerada.

As conversas num tom normal, música de fundo, máquina de lavar roupa ou uma zona residencial demasiado agitada e barulhenta (com hospitais por perto, por exemplo) são casos de sons acima dos 55 decibéis, isto é, considerados como perigosos para qualidade do sono e responsáveis por muitos dos distúrbios de sono da atualidade. Na pior das hipóteses, podem ainda dar azo a problemas cardiovasculares.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados