Combinação com venetoclax é eficaz em idosos com leucemia mieloide agudaNotícias de Saúde

Quinta, 13 de Dezembro de 2018 | 102 Visualizações

Fonte de imagem: Oncology Central

Uma equipa de cientistas identificou uma combinação de fármacos que poderá ser eficaz no tratamento da leucemia mieloide aguda (LMA) em doentes com idade mais avançada.
 
A mediana de idade de diagnóstico de LMA é de 67 anos. Os doentes que são considerados como podendo aguentar o tratamento, recebem terapia de indução para por a doença em remissão, seguida de terapia de consolidação. 
 
Esta terapia inclui, por sua vez, quimioterapia adicional ou transplantes de células estaminais. Se for bem-sucedido, este tratamento pode curar até 40% dos pacientes.
 
No entanto, só uma minoria dos pacientes é elegível para este tratamento de duas fases pois, devido à idade avançada, muitos doentes apresentam outras doenças que fazem aumentar o risco de morte.
 
Estes doentes poderão receber tratamentos com fármacos de menor intensidade, conhecidos como agentes hipometilantes, como a azacitidina e a decitabina. No entanto, a eficácia daqueles fármacos é normalmente limitada. 
 
Os cientistas liderados por Anthony Letai do Instituto de Oncologia Dana-Farber, EUA, desenvolveram um tratamento que combina o fármaco venetoclax, que foi recentemente aprovado para uso na prática clínica, com azacitidina, decitabina ou uma dose reduzida de citarabina. 
 
A equipa conduziu um ensaio clínico para verificar os efeitos do venetoclax com doses variadas de fármacos hipometilantes. 
 
Para o ensaio, os cientistas recrutaram 145 pacientes com LMA que não apresentavam um estado de saúde que lhes permitisse receber tratamento com quimioterapia de indução. Foi observado que a combinação farmacológica foi bem tolerada pelos pacientes. 
 
O índice geral de respostas ao tratamento foi de 67%, uma percentagem que os investigadores consideraram encorajadora. O tempo de resposta ao tratamento foi também mais curto do que ao tratamento com os agentes hipometilantes. A mediana geral de sobrevivência dos pacientes que receberam todas as dosagens foi de 17,5 meses.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Blood”