Colesterol elevado e cancro do cólon: qual a ligação?Notícias de Saúde

Terça, 30 de Janeiro de 2018 | 82 Visualizações

Fonte de imagem: health.clevelandclinic

O aumento dos níveis de colesterol em ratinhos fez com que as células estaminais dos intestinos se dividissem com maior rapidez, demonstrou um estudo.
 
O estudo conduzido por investigadores da Faculdade de Medicina David Geffen na Universidade da Califórnia em Los Angeles, EUA, evidenciou ainda que a divisão mais rápida daquelas células promoveu um crescimento de tumores no cólon 100 vezes mais rápido.
 
Este estudo identificou uma via molecular que poderá conduzir ao desenvolvimento de fármacos para tratar o cancro do cólon.
 
“Ficámos entusiasmados ao descobrirmos que o colesterol influencia o crescimento das células estaminais nos intestinos, o que por sua vez acelera a formação tumoral em mais de 100 vezes”, confirmou Peter Tontonoz, docente de Patologia e Medicina Laboratorial. 
 
O investigador explicou ainda que embora já se conheça bem a ligação entre o colesterol oriundo da alimentação e o cancro do cólon, não se sabia ainda o mecanismo subjacente a essa associação.
 
Para o estudo, os investigadores aumentaram os níveis de colesterol nas células estaminais dos intestinos de ratinhos, através da alimentação. Noutros ratinhos, os investigadores alteraram um gene que regula os fosfolipídeos, que é o tipo de gordura principal das membranas das células, o que fez com que as células produzissem colesterol independentemente,
 
À medida que os níveis de colesterol dos roedores aumentaram, as suas células começaram a dividir-se com maior rapidez, fazendo com que o tecido que reveste as paredes intestinais aumentasse e os intestinos se tornassem mais longos. Estas alterações, por sua vez, aceleraram o ritmo de formação de tumores do cólon.
 
A equipa de investigadores planeia seguidamente procurar perceber se esta via molecular que descobriram desempenha um papel semelhante no desenvolvimento de outros tipos de cancro.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Cell Stem Cell”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados