Cigarros eletrónicos podem causar acumulação de gordura no fígadoNotícias de Saúde

Quinta, 22 de Março de 2018 | 55 Visualizações

Fonte de imagem: ABC News

Um estudo recente em ratinhos atestou que a exposição aos cigarros eletrónicos pode conduzir à acumulação de gordura no fígado.
 
A popularidade dos cigarros eletrónicos tem aumentado cada vez mais pois, apesar de terem nicotina, estes produtos são promovidos como sendo uma opção mais segura do que os cigarros convencionais. 
 
No entanto, a nicotina está associada à doença hepática gordurosa não-alcoólica, e não se conhece os efeitos a longo prazo do uso destes dispositivos sobre os riscos cardíacos, de acidente vascular cerebral (AVC), de diabetes e hepáticos. 
 
Liderado por Theodore C. Friedman, docente e diretor do Departamento de Medicina Interna na Universidade de Medicina e Ciências Charles R. Drew, Los Angeles, EUA, o estudo foi recentemente apresentado no congresso ENDO de 2018 da Sociedade de Endocrinologia Norte-Americana em Chicago, EUA.
 
A equipa estudou, durante 12 semanas, os efeitos da exposição a cigarros eletrónicos em ratinhos que não expressavam o gene apolipoproteína E, tornando-os mais suscetíveis a desenvolverem doenças cardíacas e gordura no fígado. Todos os ratinhos foram alimentados com uma dieta rica em gordura e colesterol.
 
Um grupo de ratinhos foi posto numa câmara que os expunha a aerossóis de cigarros eletrónicos, de forma que os níveis de nicotina no sangue fossem semelhantes aos de fumadores e de utilizadores de cigarros eletrónicos. Os restantes ratinhos foram expostos a aerossóis salinos.
 
Como resultado, os ratinhos expostos aos cigarros eletrónicos revelaram alterações em 433 genes associados ao desenvolvimento e progressão de fígado gordo, assim como alterações nos genes relacionados com os ritmos circadianos. As disfunções no ritmo circadiano fazem acelerar o desenvolvimento das doenças hepáticas.
 
“Concluímos que os cigarros eletrónicos não são tão seguros como têm sido promovidos junto dos consumidores”, rematou Theodore C. Friedman.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo apresentado no congresso ENDO 2018

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados