Cientistas investigam a possibilidade de usar células estaminais em vacinas contra o cancroNotícias de Saúde

Domingo, 18 de Fevereiro de 2018 | 12 Visualizações

Fonte de imagem: MedCity

Um dia as células estaminais poderão ser usadas em vacinas contra vários tipos de cancro, assim sugere uma pesquisa de cientistas da universidade americana de Stanford, que investigam o potencial das células imaturas na prevenção do desenvolvimento de tumores.

 

As células estaminais pluripotentes induzidas são feitas a partir de amostras celulares recolhidas na pele ou no sangue. São geneticamente tratadas para regredir até à sua primeira fase de desenvolvimento, quando são indiferenciadas e podem evoluir para constituírem qualquer tipo de tecido.

A investigação da Universidade de Stanford, que por enquanto só fez testes com ratos, prevê que possam ser usadas para treinar o sistema imunitário para este atacar ou prevenir tumores.

Quando usadas na medicina regenerativa, as células estaminais são juntas a outras proteínas para encorajar a sua especialização em tipos específicos.

“Descobrimos que são muito semelhantes, superficialmente, a células de tumores”, afirmou o diretor do Instituto Cardiovascular de Stanford, Joseph Wu.

À semelhança das células cancerosas, nas células imaturas muitas vezes não ocorrem os mecanismos que servem para bloquear o crescimento anormal, o que leva a que proliferem rapidamente.

Quando os investigadores imunizaram ratos com células pluripotentes compatíveis, “o sistema imunitário pôde ser programado para rejeitar o desenvolvimento de tumores no futuro”, acrescentou.

O principal autor do estudo, publicado hoje no boletim Cell Stem Cell, Nigel Kooreman, afirmou que no contexto de uma vacina, estas células desencadeiam uma resposta específica ao cancro por parte de todo o sistema imunitário”.

“Uma vez alertado, o sistema imunitário ataca os cancros que se desenvolvam no corpo”, indicou.

O próximo passo da investigação é estudar se a mesma reação acontece com cancros em seres humanos e células imunitárias num contexto laboratorial.

“Embora ainda seja precisa muita investigação, a ideia é bastante simples: “tiramos sangue, fazemos células pluripotentes e injetamo-las para prevenir futuros cancros”, sintetizou.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas