Cientistas criam útero artificial que poderá salvar bebés prematurosNotícias de Saúde

Quinta, 27 de Abril de 2017 | 32 Visualizações

Fonte de imagem: The Children’s Hospital of Philadelphia

Saco com substância semelhante ao líquido amniótico poderá determinar a sobrevivência e boa saúde de bebés extremamente prematuros.

Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial que foi testado pela primeira vez, em sucesso, em cordeiros. A recente descoberta representa um grande passo no campo da saúde, já que poderá ser determinar a sobrevivência de bebés prematuros.

Seis cordeiros com o equivalente às 23 semanas de gestação nos humanos foram colocados dentro de sacos que continham uma substância semelhante ao líquido amniótico. Durante um período de quatro semanas, não só conseguiram respirar e engolir como abriram os olhos, desenvolveram os nervos e órgãos funcionais e apresentaram crescimento da lã.

“O nosso sistema poderá prevenir a grave morbidade sofrida por bebés extremamente prematuros, oferecendo uma tecnologia médica que não existe hoje em dia. Se ajudarmos ao crescimento e maturação dos órgãos em apenas algumas semanas, podemos melhorar significativamente os resultados (possibilidades de sobrevivência) nestes bebés”, explicou à revista Nature Communications o representante Alan Flake, diretor do Centro de Pesquisa Fetal do Children's Hospital de Filadélfia, EUA.

O útero artificial em causa não se destina a reduzir o tempo de gravidez, salvaguardam os investigadores, mas apenas a providenciar um melhor cuidado aos bebés que nasçam prematuramente.

Hoje em dia, as incubadoras são a ferramenta utilizada pela comunidade médica para manter vivos os bebés que nascem antes do fim do período normal de gestação. Mas nestas não são replicadas as condições existentes dentro do útero das mães.

 

Partilhar esta notícia
Referência

Info-Saúde Relacionados