Chocolate pode prevenir AVC e ataque cardíacoNotícias de Saúde

Terça, 16 de Junho de 2015 | 274 Visualizações

Benefícios parecem ser comuns ao chocolate preto e de leite, acreditam os cientistas

É uma boa notícia para os mais gulosos: o chocolate está associado a uma redução do risco de doenças cardiovasculares, podendo contribuir para prevenir, por exemplo, ataques cardíacos ou AVC's. A conclusão é de um novo estudo escocês, que revela que os benefícios são comuns ao chocolate preto e de leite.
 
Investigadores da Universidade de Aberdeen, na Escócia, analisaram um grupo de cerca de 21.000 homens e mulheres adultos que participaram num censo (o "EPIC-Norfolk Study") que está a acompanhar o impacto da dieta na saúde a longo-prazo baseando-se em questionários sobre alimentação e estilo de vida. 
 
Os cientistas levaram ainda a cabo uma análise sistemática de todos os dados disponíveis a nível internacional acerca da associação entre o chocolate e a doença cardiovascular, envolvendo quase 158.000 voluntários, e concluíram que "um maior consumo de chocolate está relacionado com um menor risco futuro de eventos cardíacos", afirma, em comunicado, um dos principais autores do estudo, Phyo Myint.
 
Segundo o professor de Medicina, os resultados da investigação, publicados, recentemente, na revista científica "Heart", indicam que o chocolate de leite, muitas vezes considerado menos "saudável" que o chocolate preto, foi o mais consumido pelos participantes no estudo, pelo que os benefícios podem ser extensíveis a este tipo de guloseima. 
 
"[Estas conclusões] podem sugerir que os benefícios não se devem apenas aos flavonóides [do chocolate preto], mas a outros compostos, provavelmente associados aos constituintes do leite, como o cálcio e os ácidos gordos", aponta o investigador, acrescentando que "não parece haver quaisquer evidências de que o consumo moderado de chocolate aumente o risco de doença cardiovascular".

Estudo não permite ainda "conclusões definitivas"
 
No âmbito do estudo, um maior consumo de chocolate apareceu associado a indivíduos com idades mais jovens, maior consumo energético e uma dieta com mais gorduras e hidratos de carbono e menos proteínas e álcool, observando-se, geralmente, em pessoas "com um perfil favorável em termos de risco de doença cardiovascular".
 
Segundo os especialistas, a investigação demonstrou que, "em comparação com os que não comiam chocolate, aqueles que ingeriam cerca de 100 gramas diários apresentavam um risco 11% inferior de doença cardiovascular e 25% menor de morte associada", bem como menos 9% de probabilidade de serem hospitalizados ou falecerem em consequência de doença arterial coronária. 
 
"Um maior consumo de chocolate apareceu, também, associado a um risco 23% inferior de acidente vascular cerebral, mesmo quando foram tidos em conta outros fatores", acrescentam os investigadores em comunicado.
 
A equipa da Universidade de Aberdeen alerta, porém, que está em causa "um estudo observacional, pelo que não podem ser retiradas conclusões definitivas sobre causa e efeito", até porque os questionários, preenchidos pelos próprios voluntários, nem sempre são suficientemente precisos.
 
"O facto de aqueles com maior risco de doença cardiovascular ingerirem menos chocolate e alimentos que o contenham do que os mais saudáveis também pode ajudar a explicar os resultados", sublinham ainda.

Estudo - Alegria ou tristeza extrema. Não há coração que aguente

Partilhar esta notícia
Referência
BMJ

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados