Cetamina pode reduzir rapidamente pensamentos suicidasNotícias de Saúde

Quarta, 20 de Dezembro de 2017 | 65 Visualizações

Fonte de imagem: University of Oxford

Um estudo recente demonstrou que a cetamina pode ser muito eficaz na redução de pensamentos suicidas e que o efeito ocorre no espaço de apenas algumas horas após a administração do fármaco.
 
A cetamina é um fármaco utilizado principalmente para induzir e manter a anestesia. Estudos anteriores tinham já demonstrado que doses reduzidas deste fármaco causavam uma redução rápida dos sintomas da depressão, podendo simultaneamente reduzir os pensamentos suicidas.
 
Conduzido por uma equipa de investigadores do Centro Médico da Universidade de Columbia, o estudo contou com a participação de 80 adultos com depressão e com pensamentos suicidas significativos de um ponto de vista clínico.
 
Os participantes foram aleatoriamente divididos em dois grupos. Um grupo recebeu uma dose reduzida de cetamina e o outro de midazolam, que é um sedativo. 
 
No espaço de 24 horas os pacientes do grupo da cetamina apresentavam uma redução significativa, do ponto de vista clínico, dos pensamentos suicidas e maior do que a observada nos pacientes do grupo que tinha recebido o midazolam. 
 
A melhoria na redução dos pensamentos suicidas e da depressão no grupo de cetamina pareceu persistir durante até seis semanas. Adicionalmente, este grupo de pacientes demonstrou mais melhorias no estado de humor, depressão e fadiga em relação ao grupo do midazolam. 
 
A equipa observou ainda que um terço do efeito da cetamina na depressão foi exercido sobre os pensamentos suicidas, sugerindo assim que este fármaco tem um efeito específico sobre os mesmos.
 
“Os antidepressivos atualmente disponíveis podem ser eficazes na redução de pensamentos suicidas em pacientes com depressão, mas podem demorar semanas a produzirem efeito. Os pacientes suicidas, deprimidos precisam de tratamentos que sejam rapidamente eficazes na redução de pensamentos suicidas quando se encontram em maior risco. Atualmente não existem tratamentos para a alívio rápido de pensamentos suicidas em pacientes deprimidos”, explicou Michael Grunebaum, médico e investigador neste estudo.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “American Journal of Psychiatry”