Cesariana e microbioma aumentam risco de obesidade infantilNotícias de Saúde

Terça, 27 de Fevereiro de 2018 | 47 Visualizações

Fonte de imagem: Wikimedia

Um novo estudo demonstrou que as mulheres com excesso de peso e obesas apresentam uma maior propensão de terem filhos com excesso de peso ou obesos aos três anos de idade.
 
O estudo que foi conduzido por investigadores da Faculdade de Medicina e de Medicina Dentária da Universidade de Alberta, Canadá apurou ainda que o microbioma intestinal poderá ser parcialmente responsável pelo excesso de peso e obesidade infantis naquelas circunstâncias.
 
“Sabemos que o excesso de peso materno está associado ao excesso de peso das crianças”, disse Anita Kozyrskyj, autora principal do estudo. 
 
“O que o nosso estudo demonstrou é que tanto o tipo de parto – parto vaginal ou cesariana – e alterações nas bactérias intestinais estão também envolvidas”, explicou.
 
Para o estudo, a equipa analisou 930 mães e bebés que eram participantes noutro estudo sobre nascimentos no Canadá. Os investigadores analisaram os tipos e quantidades de bactérias intestinais nas fezes dos bebés, e o peso dos mesmos foi avaliado com um e três anos de idade.
 
O estudo revelou que o risco de excesso de peso nos filhos de mães com excesso de peso que tinham tido um parto vaginal era três vezes maior do que o normal e que nos filhos de mães que tinham dado à luz por cesariana aquele risco era cinco vezes superior. 
 
A investigadora principal do estudo observou que “parece haver algo na cesariana que faz aumentar o risco de obesidade infantil”. Anteriormente tinha sido demonstrado que o microbioma intestinal dos bebés era influenciado pelo tipo de parto e a equipa especulou que esse efeito poderia estar associado à obesidade nos primeiros anos de vida.
 
“Descobrimos que a abundância de uma família de bactérias conhecida como Lachnospiracae influencia, com efeito, a relação entre o peso materno e o peso infantil na sequência de um parto vaginal e por cesariana”, confirmou Hein Min Tun, primeiro autor do estudo.
 
Anita Kozyrskyj concluiu que face aos resultados e o facto de o excesso de peso infantil ser um problema maior de saúde pública, torna-se problemático o aumento dos partos por cesariana.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “JAMA Pediatrics”

Notícias Relacionadas