Cancro: Vitamina C reforça ação da quimioterapiaNotícias de Saúde

Segunda, 10 de Fevereiro de 2014 | 210 Visualizações

Uma investigação norte-americana acaba de demonstrar que elevadas doses de vitamina C, administradas de forma intravenosa, em conjunto com a quimioterapia tradicional, conseguem combate das células cancerígenas, em ratinhos, e reduzem os efeitos secundários e tóxicos da quimioterapia em humanos.

A equipa do Centro Medico da Universidade do Kansas (EUA) testou a terapia em células, animais e humanos e confirmou que esta combinação, de vitamina C injetável com quimioterapia, impede o crescimento de determinados cancros, como o cancro do ovário. Os resultados da investigação foram publicados este mês no jornal Science Translational Medicine.

Em comunicado de imprensa, Qi Chen (na foto abaixo), investigadora sénior da equipa, explica que desde os anos 70 que se tenta provar a eficácia da vitamina C no tratamento desta doença. “No entanto, após o insucesso de dois testes clínicos que recorreram a vitamina C administrada de forma oral, a ideia foi abandonada”, diz a investigadora.

Mas os investigadores do Kansas sentiram que havia potencial a explorar e avançaram com novos testes. "O que descobrirmos foi que, de facto, a Vitamina C, quando administrada de forma intravenosa e não na sua forma oral, consegue destruir algumas células cancerígenas, sem afetar os tecidos saudáveis”, diz Qi Chen, professora assistente do Departamento de Farmacologia, Toxicologia e Terapêutica da universidade.

A pesquisa envolveu 27 pacientes que tinham sido recentemente diagnosticadas com cancro do ovário. Todas as participantes receberam tratamento de quimioterapia convencional mas algumas receberam, também, doses elevadas de Vitamin C injetada. 

Os investigadores monitorizaram os pacientes durante cinco anos. Aqueles que tinham recebido a dose de vitamina C sofreram menos efeitos tóxicos da quimioterapia. Já nos testes feitos em ratinhos, os cientistas confirmaram mesmo que a vitamina C injetada conseguiu matar células cancerígenas, sem afetar os tecidos saudáveis.

Agora que confirmaram os benefícios e a não toxicidade da vitamina C injetada, os membros da equipa esperam levar a investigação mais longe. “Os dados da nossa pesquisa indicam que esta combinação (de vitamina C com quimioterapia) justifica um estudo mais amplo e robusto para determinar, definitivamente, os benefícios de adicionar a vitamina C aos tratamentos convencionais”, conclui a investigadora.

Partilhar esta notícia
Autor
jornal Science Translational Medicine / Boas Notícias
Referência
Equipa do Centro Medico da Universidade do Kansas (EUA)

Notícias Relacionadas