Cancro: tratamento com ultrassons direcionados reduz dorNotícias de Saúde

Quinta, 08 de Maio de 2014 | 21 Visualizações

Um ensaio clinico em fase III mostrou que a ressonância magnética pode ajudar a direcionar o tratamento com ultrassons utilizado nos casos de cancro que se disseminam para os ossos. O estudo publicado no “Journal of the National Cancer Institute” dá conta que a utilização desta técnica alivia as dores dos pacientes.

Apesar da radioterapia ser habitualmente utilizada no tratamento das dores ósseas associadas ao cancro e ser eficaz para a maioria dos pacientes, nem todos sentem alívio das dores e ao longo do tempo podem ter também recorrência destas. Adicionalmente, embora em alguns casos os pacientes sejam submetidos à radiação máxima não há um controlo completo da dor. Assim, nestes casos onde a radioterapia não é uma opção, são necessários tratamentos alternativos.

Neste estudo, os investigadores da Universidade de Thomas Jefferson, nos EUA, contaram com a participação de 147 indivíduos, os quais foram divididos em dois grupos: um foi submetido a ultrassons focalizados e guiados por ressonância magnética e outro que funcionou como grupo de controlo. Os pacientes do primeiro grupo receberam ultrassons focalizados que atingiram os tumores ósseos com grande precisão aquecendo-os até aos 65-85°C, resultando na sua destruição.

Ao longo de cada tratamento, os pacientes foram monitorizados através de ressonâncias magnéticas em tempo real, de forma assegurar que apenas o tecido alvo, e não os tecidos e órgãos circundantes, estava a ser atingido com sucesso. O grupo de controlo foi sujeito ao mesmo tratamento, mas com o dispositivo do ultrassom desligado.

O estudo apurou que os pacientes responderam bem ao tratamento. Sessenta e quatro dos pacientes não sentiram dores ou tiveram uma redução significativa das dores após três meses. A maioria dos pacientes teve ainda alívio das dores e uma melhoria da função motora em vários dias do tratamento.

"Para muitos dos pacientes, a dor tem um grande impacto na sua vida quotidiana. Esta abordagem proporciona uma nova forma de ajudar a aliviar a dor através de um procedimento não-invasivo de ambulatório”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Mark Hurwitz.

“Este estudo fornece aos doentes oncológicos mais opções para tratar a dor associada ao cancro e uma oportunidade de diminuir a utilização de opióides, os quais têm efeitos adversos consideráveis, “, referiu um investigador que não esteve envolvido no estudo, Adam Dicker.

Partilhar esta notícia
Autor
Alert Science
Referência
Journal of the National Cancer Institute

Notícias Relacionadas