Cancro: terapia de protões com muito menos efeitos adversos que a radioterapiaNotícias de Saúde

Terça, 04 de Junho de 2019 | 7 Visualizações

Fonte de imagem: Revista Pesquisa

Uma equipa de investigadores demonstrou que a terapia de protões acarreta muito menos efeitos adversos do que a radioterapia tradicional no tratamento do cancro.
 
Os investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, EUA, apuraram ainda que os índices de cura são sensivelmente os mesmos para ambas as terapias, o que põe a terapia de protões em vantagem sobre a radioterapia.
 
Embora seja eficaz, a radioterapia oferece bastantes efeitos adversos como febre, náuseas, fadiga, irritação da pele, vómitos, alterações no apetite, dificuldades em engolir e diarreia. 
 
Para a sua investigação, Brian Baumann e equipa analisaram 1.483 pacientes com vários tipos de cancro. 1.092 dos pacientes tinham recebido uma combinação de quimioterapia e radioterapia convencional (com fotões) e 391 tinham recebido quimioterapia e radioterapia com protões. 
 
Os pacientes que receberam a terapia de protões eram, em média, cinco anos mais velhos do que os que receberam a radioterapia de fotões.
 
Como resultado, os pacientes que tinham recebido a terapia de protões evidenciaram muito menos efeitos adversos (45 ou 11,5% dos pacientes) do que os que tinham recebido a terapia de fotões (301 ou 27,2% dos pacientes). 
 
Os índices de sobrevivência ao cancro foram, como mencionado, sensivelmente os mesmos em ambos os grupos. 
 
Os autores explicaram ainda que a terapia de protões é mais precisa do que a radioterapia convencional. Os protões são partículas pesadas com carga positiva e param assim que atingem o seu alvo. 
 
Por outro lado, os feixes de raio-X são feitos de fotões, que são partículas quase sem massa nenhuma. Esta característica faz com que possam deslocar-se facilmente no organismo, incluindo os tecidos saudáveis após terem atingido o seu alvo. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo apresentado no congresso anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica

Notícias Relacionadas