Cancro da mama: bloqueio de enzima desencadeia ataque imunitárioNotícias de Saúde

Terça, 25 de Junho de 2019 | 19 Visualizações

Fonte de imagem: ABC News

Uma equipa de investigadores descobriu uma enzima que suprime o sistema imunitário no cancro da mama.
 
Num estudo pré-clínico liderado pela Faculdade de Medicina da Universidade Duke, EUA, o achado pode conduzir a uma potencial forma de melhorar os resultados da imunoterapia através da exposição dos tumores de cancro da mama ao sistema imunitário do organismo.
 
A imunoterapia veio transformar o tratamento do cancro. Contudo, o sucesso deste tipo de tratamento tem tido pouco sucesso devido a uma complexidade de razões.  
 
Com o cancro da mama, apenas um número limitado de pacientes reúne condições para receber imunoterapia e, mesmo assim, os benefícios são muito limitados para a maioria.
 
Com efeito, os investigadores neste estudo identificaram uma enzima nas células, conhecida como CaMKK2, que contribui para a regulação do crescimento e metastização do cancro da mama. 
 
A CaMKK2 encontra-se altamente expressada nos macrófagos em tumores da mama humanos.
 
Através de ensaios em ratinhos, a equipa descobriu uma forma de inibir a atividade da enzima CaMKK2 de forma a permitir que os linfócitos-T desenvolvam um ataque imunitário.
 
“Descobrimos que a inibição da atividade desta enzima diminuía a capacidade de os macrófagos nos tumores suprimirem um ataque imunitário sobre as células cancerígenas e efetivamente encorajá-las a começarem a produzir químicos para atraírem mais linfócitos-T exterminadores de cancro para o tumor”, afirmou Donald McDonnell, investigador neste estudo. 
 
“Conseguimos, basicamente, expor o tumor ao sistema imunitário”, elucidou. 
 
Donald McDonnell explicou ainda que o uso da molécula resolveu dois problemas: suprimiu o crescimento tumoral, não só através do aumento da acumulação de linfócitos-T, mas também através da redução da capacidade do tumor em suprimir a atividade dos linfócitos-T.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Nature Communications”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados