Camelos jovens podem ser a origem do coronavírus mersNotícias de Saúde

Sábado, 20 de Junho de 2015 | 143 Visualizações

Camelos com idade inferior a quatro anos podem ser a principal fonte do vírus da Síndrome Respiratória do Médio Oriente (MERS), indica uma investigação publicada na revista ‘Emerging Infectious Diseases’.

Uma equipa internacional de cientistas procurou indícios de infeção com MERS em mais de 800 dromedários, e descobriu que mais de 90 por cento dos animais foram infetados por volta dos dois anos de idade e que a eliminação do vírus é mais comum em camelos jovens do que em adultos, concluindo que os camelos juvenis representam maior ameaça de infeção para os seres humanos.

O estudo defende que “a simples mudança na forma de criação dos animais, como o atraso da altura em que as crias são retiradas às suas mães, é suscetível de reduzir a possibilidade de infeção humana”.

A forma como o vírus se transmite aos seres humanos ainda é desconhecida, mas os especialistas consideram que a propagação não é feita por via aérea, admitindo que o contágio possa resultar decontato direto com fluidos corporais de camelos infetados.

A infeção pode também ocorrer através do consumo de leite de camelo não pasteurizado.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou na sexta-feira que vai convocar, na próxima semana, a comissão de emergências para abordar a situação da Síndrome Respiratória do Médio Oriente.

O MERS é um vírus mais mortal, mas menos contagioso, do que o responsável pela Síndrome Respiratória Aguda Severa (SARS, sigla em inglês) que, em 2003, fez cerca de 800 mortos em todo o mundo.

O vírus da MERS provoca uma infeção pulmonar e os afetados sofrem de febre, tosse e dificuldades respiratórias, não havendo, por enquanto, vacina ou tratamento para o vírus, que tem uma taxa de mortalidade de cerca de 35%, de acordo com a OMS.

Na Arábia Saudita, mais de 950 pessoas foram contaminadas desde 2012 e 412 morreram.

Um surto de MERS que atualmente atinge a Coreia do Sul já provocou 14 mortos.

Partilhar esta notícia
Autor
Lusa
Referência

Info-Saúde Relacionados