Cacau pode atrasar a progressão da diabetesNotícias de Saúde

Quarta, 08 de Abril de 2015 | 27 Visualizações

Os flavonóides presentes no cacau, compostos com propriedades antioxidantes, podem ajudar a atrasar a progressão da diabetes tipo 2, travando a perda de massa e função das células beta do pâncreas causada pela doença. 
 
A conclusão é de um estudo realizado por investigadores do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) de Espanha, que, pela primeira vez, demonstrou o potencial efeito antidiabético do cacau através de experiências com modelos animais vivos.
 
Rico em compostos bioativos, o cacau já é conhecido pelas suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, mas a equipa espanhola conseguiu, agora, provar que pode promover, também, o funcionamento adequado e a sobrevivência das células beta pancréaticas, que sintetizam e segregam a insulina.
 
Em testes com ratinhos, os investigadores constataram que os que tinham seguido uma dieta rica em cacau durante a fase pré-diabética (entre as seis e as 15 semanas de vida) eram capazes de reduzir, autonomamente, os níveis de hiperglicemia, isto é, o excesso de glicose no sangue.
 
Além disso, revela um comunicado do CSIC, a sua sensibilidade à insulina melhorou e a perda de função das células beta foi retardada, observando-se, em simultâneo, um aumento da atividade dos mecanismos antioxidantes do pâncreas, que atenua o 'stress' oxidativo e a morte celular durante a etapa da pré-diabetes. 
 
"Estes resultados evidenciam, pela primeira vez, que o cacau pode proteger a perda de funções das células beta do pâncreas que acontece na diabetes tipo 2 e, consequentemente, atrasar o avanço da doença", explica Àngeles Martin, investigadora do CSIC que participou no estudo, publicado recentemente na revista científica Molecular Nutrition and Food Research.
 
Segundo Martín, os cientistas suspeitam "que a disfunção das células beta se deve, em parte, ao 'stress' oxidativo", pelo que "a identificação de compostos antioxidantes naturais que contribuam para a preservação destas células tem crescido rapidamente, sendo, hoje, considerado estratégico para prevenir e tratar a doença". 
 
Apesar de otimista com as conclusões, a investigadora alerta que "será necessário efetuar mais estudos que permitam definir a verdadeira dimensão destes benefícios e, sobretudo, esclarecer os mecanismos da sua ação". 
 
Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

 

Partilhar esta notícia
Referência
revista científica Molecular Nutrition and Food Research.