Bronquiolite: 12 perguntas e respostas essenciaisNotícias de Saúde

Terça, 15 de Dezembro de 2015 | 2754 Visualizações

Fonte de imagem: bolsademulher

As perguntas que todos os pais gostariam de ver respondidas quando o tema é bronquiolite.

1. O que é a bronquiolite?

A bronquiolite é uma infeção viral das vias aéreas, sendo o agente mais frequente o Vírus Sincicial Respiratório (VSR). Durante a infeção, as pequenas vias que transportam o ar até aos pulmões ficam obstruídas, o que dificulta a entrada e saída de ar e, consequentemente, a oxigenação do sangue.

2. A bronquiolite é muito frequente?

A infeção por VSR é muito frequente, afetando a generalidade dos bebés nos primeiros dois anos de vida.

É muito comum nos meses de inverno, sendo uma das causas da constipação simples. A maioria dos doentes melhora naturalmente em poucos dias. Alguns bebés, principalmente os muito pequenos, podem ter sintomas mais graves, com necessidade de cuidados hospitalares.

3. Quais são os sintomas da bronquiolite?

  • Os sintomas iniciais de bronquiolite são secreções e obstrução nasal, por vezes acompanhadas de tosse e febre;
  • Alguns dias depois, a tosse pode agravar, ficando a respiração mais rápida, ofegante e com esforço evidente (balanceio da cabeça, gemido, "covinhas no pescoço", "costelas marcadas");
  • Nesta fase, os pais notam ruídos respiratórios agudos (pieira, "gatinhos");
  • Em alguns bebés pequenos podem ocorrer pausas respiratórias;
  • É habitual os bebés tolerarem menos quantidade de leite, podendo engasgar-se ou vomitar com facilidade, pois os sintomas tornam a alimentação mais difícil;
  • Diminuição do número de fraldas molhadas;
  • Os bebés ficam frequentemente mais irritados ou, pelo contrário, sonolentos.

4. Como posso ajudar o meu bebé?

  • Ofereça pequenas quantidades de leite com mais frequência. O aleitamento materno deve manter-se;
  • A febre deve ser controlada com paracetamol (se a temperatura for superior a 38ºC);
  • É útil aspirar as fossas nasais e humidificar as vias aéreas com nebulizações de soro fisiológico;
  • O médico pode, nalguns casos, aconselhar o uso de broncodilatadores (salbutamol ou outro);
  • A cabeceira da criança deve ser elevada;
  • Não é necessário administrar antibióticos, uma vez que a doença é provocada por um vírus;
  • É inútil administrar xaropes para a tosse ou outros medicamentos, a não ser se aconselhado pelo médico;
  • É fundamental que o bebé não contacte com fumo de tabaco.

5. Qual é a duração de uma bronquiolite?

Geralmente, a criança melhora num período de uma a duas semanas. O regresso à creche é possível assim que a criança se sinta bem, com normalização da alimentação e sem dificuldade respiratória.

A criança deve ser reavaliada pelo médico assistente como habitualmente.

6. Quando devo contactar o pediatra?

  • Se a criança tiver dificuldade respiratória;
  • Se o bebé mamar menos de metade da dose habitual em duas ou três refeições ou se não urinar durante 12 horas;
  • Se a febre for elevada (superior a 39ºC);
  • Se a criança tiver outros problemas de saúde (cardíacos, pulmonares, imunológicos, neurológicos);
  • Se estiver preocupado ou se a criança não estiver bem (muito cansada ou irritada).

7. Em que situações devo chamar um serviço médico de emergência?

  • Se a dificuldade respiratória for muito grave;
  • Se o bebé estiver pouco reativo;
  • Se o bebé estiver pálido e suado;
  • Se os lábios e a língua tiverem uma coloração azulada;
  • Se o bebé fizer pausas respiratórias prolongadas ou frequentes.

8. O que se vai passar no hospital?

O bebé será observado por médicos e enfermeiros. A oxigenação do sangue será avaliada por um aparelho chamado oxímetro de pulso (pequena luz colocada na mão, pé ou orelha da criança).

Essa avaliação ajudará a decidir se o bebé necessita de oxigénio suplementar, habitualmente administrado por máscara facial ou por um pequeno tubo colocado no nariz.

9. O meu filho precisará de ficar internado?

A criança pode necessitar de permanecer internada, sempre acompanhada por um dos pais. O internamento poderá durar alguns dias, até o bebé se conseguir alimentar, não tiver dificuldade em respirar e não necessitar de oxigénio suplementar.

Para confirmar a causa da doença, poderão ser colhidas secreções respiratórias para análise. Podem ser efetuadas análises ao sangue e radiografia do tórax.

No hospital, o bebé pode ser separado dos outros bebés, para evitar a propagação do vírus. Pelo mesmo motivo, a lavagem das mãos é fundamental, antes e depois de tratar do bebé e as visitas podem ser restringidas.

A criança pode necessitar de soro e medicamentos administrados por via inalatória ou endovenosa e de ser alimentada por uma sonda nasogástrica.

10. A bronquiolite pode ser muito grave?

Alguns bebés poderão adoecer gravemente e necessitar de cuidados intensivos que podem incluir ventilação mecânica. Pode ser necessário transferir o bebé para outro hospital onde se situa a unidade de cuidados intensivos. Essa transferência é feita em ambulância medicalizada.

11. Que acontece após o bebé ter alta?

O bebé deve ser reavaliado em consulta de pediatria ou pelo médico de família. Nalguns casos pode ser recomendada uma consulta hospitalar.

Muitas crianças mantêm a sintomatologia (principalmente tosse e pieira) durante 6 a 8 semanas, sem que isso signifique que haja alguma complicação.

Alguns bebés com determinadas características de risco podem ter novos episódios de pieira durante a infância, situação que deve ser acompanhada pelo médico assistente.

12. É possível prevenir a bronquiolite?

Atualmente, não existe uma vacina ou outra forma de prevenção eficaz na população em geral.

Sabia que...

A sonda nasogástrica é um tubo fino colocado no estômago através do nariz e que é fixado à face do bebé com um adesivo.

Partilhar esta notícia
Referência

Info-Saúde Relacionados