Beta-talassemia e policitemia vera: tratamento com peptídeos sintéticos mostra-se promissorNotícias de Saúde

Quarta, 11 de Maio de 2016 | 79 Visualizações

Fonte de imagem: healthtap

A utilização de peptídeos sintéticos, denominado por minihepicidinas, pode ajudar no tratamento de duas doenças sanguíneas genéticas que afetam tanto as crianças como os adultos, a beta-talassemia e policitemia vera, dá conta um estudo publicado na revista “Blood”.
 
Para o estudo, os investigadores do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos EUA, utilizaram minihepicidinas, ou seja, versões modificadas da hormona hepicidina, que regula o ferro. As minihepicidinas, apesar de serem mais pequenas que a hormona, apresentam uma maior estabilidade e uma atividade biológica de mais longa duração, quando administrada em animais. Estudos anteriores demonstraram que o tratamento com as minihepicidinas impedia a sobrecarga de ferro num modelo de ratinho para a hemocromatose, uma doença caracterizada pela absorção excessiva de ferro que está associada à baixa produção de hepicidina.
 
Neste estudo, os investigadores decidiram averiguar como as minihepicidinas afetavam a beta-talassemia e policitemia vera em dois modelos de ratinhos distintos.  
 
A beta-talassemia é resultante de uma mutação que afeta a produção de hemoglobina, o que resulta em eritrócitos defeituosos. Estas células têm uma capacidade reduzida de transportar oxigénio, o que conduz ao desenvolvimento da anemia. No entanto, o organismo continua a acumular ferro, devido aos baixos níveis de hepcidina, conduzindo a um ciclo vicioso que destrói mais eritrócitos e pode causar danos graves no fígado e coração.
 
Por outro lado, na policitemia vera, a ocorrência de mutações raras conduzem à produção excessiva de eritrócitos, o que engrossa gradualmente o sangue, aumentando o risco de hipertensão e trombose, podendo inclusivamente conduzir a um acidente vascular cerebral. Esta doença também causa uma dilação dolorosa do baço. O tratamento padrão da policitemia vera é a flebotomia, que consiste na punção de uma veia para remover o sangue. No entanto, a remoção do sangue não impede a produção excessiva de eritrócitos.
 
No modelo de ratinhos para a beta-talassemia, as minihepicidinas normalizaram os níveis de eritrócitos e aliviaram tanto a anemia como o excesso de ferro. Nos ratinhos mais velhos, o composto melhorou a produção de eritrócitos e não interferiu com a utilização de um quelante utilizado para remover o excesso de depósitos de ferro.
 
Nos animais que expressavam a mutação que causava a policitemia vera, as minihepicidinas também normalizaram a produção dos eritrócitos. Uma vez que a absorção aumentada de ferro mantém a produção descontrolada de eritrócitos, quando as minihepicidinas reduziram a absorção de ferro, isso conduziu a uma diminuição do elevado número de eritrócitos e reduziu a dilatação dos rins.
 
“Caso estes resultados pré-clínicos se reproduzam em humanos, isto poderá representar um novo tratamento para as duas doenças”, referiu o líder do estudo, Stefano Rivella.
 
O investigador acrescentou que nos animais com beta-talassemia o composto bloqueou o ferro de se acumular nos órgãos, mas não removeu o excesso já presente nos órgãos e tecidos. Se as minihepicidinas forem utilizadas em pacientes idosos, estes poderão ter de ser também tratados com quelantes para remover o ferro já acumulado. Contudo, nas crianças, as minihepicidinas poderão impedir a acumulação de ferro e prevenir o agravamento da doença na idade adulta.
 
Stefano Rivella acrescenta que, no caso da policitemia vera, as minihepicidinas podem normalizar a produção de eritrócitos, mas, tal como no caso da beta-talassemia, não irá tratar a causa subjacente da doença.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Blood”

Info-Saúde Relacionados