Ataque cardíaco associado a doença inflamatória intestinalNotícias de Saúde

Sábado, 10 de Março de 2018 | 28 Visualizações

Fonte de imagem: The New Daily

Um novo estudo evidenciou uma forte ligação entre as doenças inflamatórias intestinais e o desenvolvimento de doenças cardíacas e de enfarte do miocárdio.
 
O estudo que foi desenvolvido por Muhammad Panhwar e Mahazarin Ginwalla, médicos e investigadores do Instituto Cardíaco e Vascular dos Hospitais Universitários Harrington, EUA, teve por base a análise de mais de 22 milhões de pacientes.
 
A inflamação desempenha um importante papel no desenvolvimento das doenças cardíacas. Estudos anteriores demonstraram um maior risco de doenças cardíacas em pacientes com doenças inflamatórias crónicas como a artrite reumatoide e o lúpus. 
 
No entanto, não se sabia exatamente se o mesmo risco se verificava com as doenças inflamatórias intestinais, que incluem duas doenças inflamatórias que afetam o trato gastrointestinal (a doença de Crohn e a colite ulcerosa).
 
Para o estudo que teve a duração de três anos, os investigadores analisaram dados de 26 sistemas de saúde norte-americanos. A equipa observou que nos mais de 22 milhões de pacientes analisados, os que tinham uma doença inflamatória intestinal (5,9%) apresentavam uma incidência de ataque cardíaco de quase o dobro (3,5%) dos pacientes sem aquela doença. 
 
A equipa descobriu ainda que os pacientes com doença inflamatória intestinal apresentavam mais fatores de risco tradicionais para as doenças cardíacas como fumar, hipertensão e diabetes. Após terem feito os ajustes necessários relativamente àqueles fatores de risco, idade, sexo e raça, foi apurado que os pacientes com doença inflamatória intestinal apresentavam uma possibilidade 23% maior de sofrerem um enfarte do miocárdio.
 
O risco era também mais prevalente em pacientes mais jovens (com menos de 40 anos de idade). Os autores concluem assim que a doença inflamatória intestinal deveria ser reconhecida como sendo um fator de risco para as doenças cardiovasculares.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo apresentado no Congresso da Escola Americana de Cardiologia, EUA

Notícias Relacionadas