As dez hormonas que interferem com a qualidade do sonoNotícias de Saúde

Quinta, 23 de Março de 2017 | 35 Visualizações

Fonte de imagem: HealthTap

São muitos os aspetos que interferem com a qualidade do sono, contudo, uma boa parte da responsabilidade deve ser atribuída ao sistema hormonal.

Na hora de encontrar um culpado pela má qualidade do sono, não se pode apontar o dedo apenas ao colchão, à almofada, à cara-metade que ressona ou à luz que entra pela janela. Estes fatores pesam (e muito) na capacidade de adormecer e de dormir tranquilamente durante a noite, mas existe um outro culpado a incluir nesta equação: o sistema hormonal.

As hormonas são responsáveis pelas situações de stress, cansaço, ansiedade, inquietação, fome, gula, entre outras, e interferem com a qualidade de vida quando não estão devidamente reguladas.

Seja por excesso ou defeito, como mostra o site Mind Body Green, existem dez hormonas capazes de provocar noites em claro e tremendos episódios de insónias. Veja como o sistema hormonal afeta a qualidade do sono:

1 – Níveis baixos de progesterona. Quando esta hormona não é produzida de forma suficiente, existe uma maior dificuldade em reduzir os níveis de ansiedade;

2 – Níveis baixos de estrogénio. Se esta hormona está em falta, os níveis de açúcar no sangue tendem a aumentar, a fome a aparecer e a capacidade em cair no sono a diminuir;

3 – Níveis altos de cortisol. Esta é a hormona responsável pelo stress e uma das que mais impacto tem na saúde e bem-estar geral, conseguindo comprometer uma série de funcionalidades orgânicas no imediato. O stress, como é sabido, é um dos maiores entraves da qualidade de sono;

4 – Níveis de baixos de cortisol. Esta hormona tanto peca por excesso como por defeito, mas quando se dá um decréscimo da sua produção, o risco dos marcadores inflamatórios, que condenam a boa qualidade do sono.

5 – Baixos níveis de melatonina. Esta é conhecida como a ‘hormona do sono’, sendo, por isso, fundamental para uma noite descansada e tranquila. Quando não é produzida de forma suficiente, dá-se um desregulamento dos ritmos circadianos, o relógio interno que tem como função pôr o organismo a funcionar corretamente;

6 – Baixos níveis de DHEA (desidroepiandrosterona). Esta hormona adrenal não só é benéfica para a saúde dos ossos e dos músculos, como pode também interferir com o sistema urinário. Quando não existe em quantidades suficientes, pode causar uma maior vontade de urinar, o que faz com que a pessoa acorde ao longo da noite para ir à casa de banho.

7 – Níveis de tiroide desregulados. Seja por excesso ou por defeito, as hormonas da tiroide conseguem sempre ter um impacto negativo na qualidade do sono.

8 – Baixos níveis de testosterona. Existe uma forte ligação entre os baixos níveis desta hormona e a apneia do sono em homens e mulheres;

9 – Altos níveis de androgénio. Esta hormona, quando se encontra em excesso, é responsável por algumas doenças do sono (como a apneia) e ainda por problemas no sistema reprodutor e ainda metabólico.

10 – Resistência à leptina. Quando o corpo não é capaz de regular esta hormona, acabando por se render à mesma quando está em excesso, dá-se uma maior dificuldade em combater a gordura acumulada e é sabido que a gordura visceral estimula os marcadores inflamatórios que, por sua vez, interferem com a qualidade do sono.

Partilhar esta notícia
Referência
Daniela Costa Teixeira

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados